Liverpool rejeita hospedagem em hotel acusado de violar leis trabalhistas

Em outubro, um diretor do Liverpool afirmou que o clube tem valores socialistas

O hotel oferecido pela Fifa para o Liverpool, Marsa Malaz Kempinski, foi rejeitado pelo clube inglês por denúncias de violação de leis trabalhistas. Em outubro, um diretor do clube afirmou que o sucesso do time “se baseia em socialismo”. A equipe enfrenta o Flamengo na final do Mundial de Clubes da Fifa neste sábado (21).

A decisão do Liverpool, que chegou no Qatar por volta do dia 18 de dezembro, foi revelada ainda em novembro pelo The Atlantic. Segundo o portal, o clube se baseou em reportagem publicada pelo The Guardian em 2018 para recusar a oferta.

O jornal britânico revelou que os migrantes que trabalhavam no Marsa ganhavam menos que o salário mínimo local e que leis trabalhistas eram violadas. A situação mais crítica era a de segurança, que trabalhariam em turnos de 12 horas em temperaturas de 45 ° C recebendo menos de 8 libras por dia.

A direção do hotel negou as acusações, mas a Fifa atendeu ao pedido do clube e providenciou outra hospedagem para os Reds.

Sucesso socialista

Em entrevista a Diego Torres, do El País, em outubro, o diretor executivo do Liverpool, Peter Moore, fez uma análise sobre o histórico da equipe e disse que o sucesso do time tem a ver com valores socialistas que se relacionam com a base operária da cidade que dá nome ao clube e com o histórico técnico Bill Shankly, que era socialista.

“Liverpool é uma cidade socialista, de tradição operária, muito unida ao porto. Já foi o porto mais movimentado do planeta. Isso mudou, mas permanece, até certo ponto, o sentido da unidade e da insularidade”, disse Moore.

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR