Manifestações imensas no Chile fazem Piñera recuar em aumento de passagem

“É apenas o começo, um pequeno passo, mas, se continuarmos juntos, ganharemos o direito de sonhar com mudanças profundas”, comemotou Beatriz Sanchez, um dos nomes fortes da esquerda chilena

Assim como no Equador, o povo chileno deu uma lição de cidadania. Milhares de pessoas foram às ruas nos últimos dias, promoveram manifestações gigantescas e o governo do presidente Sebastián Piñera resolveu voltar atrás e suspender o aumento das passagens na tarifa do metrô.

“A força de milhões nas ruas afastou o governo e o aumento das passagens. É apenas o começo, um pequeno passo, mas, se continuarmos juntos, ganharemos o direito de sonhar com mudanças profundas para construir um país justo e pacífico”, comemorou Beatriz Sanchez, jornalista, terceira colocada nas últimas eleições presidenciais e um dos nomes fortes da esquerda chilena.

Durante a sexta-feira (18) e o sábado (19), estudantes promoveram protestos contra o aumento da passagem do metrô da capital chilena de 800 para 830 pesos.

Estado de emergência

No fim da noite de sexta, Piñera cancelou compromissos pessoais e retornou ao palácio presidencial de La Moneda, onde decretou estado de emergência, depois de se reunir com os ministros da Defesa, lberto Espina, e do Interior Andrés Chadwick.

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR