Fórumcast #20
17 de junho de 2018, 11h34

Migrantes do navio Aquarius rejeitados pela Itália chegam à Espanha

A embarcação com 629 migrantes vindos da Líbia foi rejeitada por Itália e Malta. O primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez anunciou que acolheria o navio. "É nossa obrigação oferecer um porto seguro a essas pessoas"

Os migrantes que estavam no navio Aquarius finalmente chegaram em Valência na Espanha. A embarcação com 629 migrantes vindos da Líbia foi rejeitada por Itália e Malta há uma semana e fez a travessia do Mar Mediterrâneo nos últimos oito dias. Estavam no navio 123 menores desacompanhados, onze crianças com menos de 13 anos e sete mulheres grávidas.

O barco é da ONG “SOS Mediterrâneo” e seus tripulantes resgataram os migrantes provenientes de pelo menos seis pontos da Líbia, enquanto tentavam atravessar o Mediterrâneo.

No sábado (10), eles foram impedidos de atracar na Itália e em Malta, ficando assim a deriva no mar. O novo ministro do interior italiano, Mateo Salvini, disse em no twitter: “agora existe quem diz não”. “Que esses senhores saibam que a Itália já não quer ser cúmplice do negócio da imigração clandestina e que deverão buscar outros portos para se dirigirem”, disse Salvini, que também é vice-primeiro-ministro e líder da Liga (extrema direita).

O premier da Espanha, o socialista Pedro Sánchez, abriu o porto espanhol de Valência para receber os imigrantes. “É nossa obrigação ajudar a evitar uma catástrofe humanitária e oferecer um porto seguro a essas pessoas, cumprindo desta maneira com as obrigações do Direito Internacional”, afirmou Sánchez em nota.

Veja também:  Cronologia do caso Itaipu: o que aconteceu até aqui e como Bolsonaro foi envolvido no escândalo

Os migrantes seguiam em três diferentes embarcações e chegaram ao longo da manhã deste domingo (17), ao porto de Valência.

 


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum