Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
19 de fevereiro de 2019, 09h58

Ministério público da Suíça investiga propina à oposição na Venezuela; Odebrecht está no alvo

Desde 2006, construtora brasileira teria despejado milhões de dólares em contas em paraísos fiscais, para financiar tentativas de derrubada da República Bolivariana constituída por Hugo Chávez e conduzida hoje por Nicolás Maduro

Hugo Chavez e Nicolás Maduro (Arquivo)

Aos 35 anos, Juan Guaidó, líder oposicionista que se autodeclarou presidente da Venezuela, se aliou a Jair Bolsonaro, no Brasil, e a Donald Trump, nos Estados Unidos, para tentar derrubar o governo eleito de Nicolás Maduro. No entanto, a participação de brasileiros patrocinando tentativas de destituição da República Bolivariana constituída por Hugo Chávez já é investigada pelo Ministério Público da Suíça desde 2017, segundo reportagem de Jamil Chade, no jornal O Estado de S.Paulo desta segundo-feira (18).

Documentos mostram que entre 2006 e 2013, segundo a o Ministério Público suíço, a construtora Odebrecht pagou milhões de dólares em propinas a políticos da oposição, depositadas em contas em paraísos fiscais.

Segundo o relatório, pelo menos dez campanhas eleitorais de grupos de oposição foram turbinadas por recursos ilegais da empresa brasileira. O caso mais emblemático é de Henrique Capriles, que disputou a eleição presidencial contra Chavez em 2013. Um grupo de empresários e pessoas aliadas de Capriles teriam recebido mais de US$ 15 milhões.

Em um documento produzido pelos suíços, ainda em 2017, as autoridades afirmam que “Capriles teria recebido subornos relacionados a obras realizadas em Miranda, Estado no qual o grupo Odebrecht realizou obras importantes”. Parte da investigação tem como base documentos de bancos suíços repassados às autoridades venezuelanas ainda em 2017.

Ao jornal, o Ministério Público da Suíça confirmou oficialmente que, em fevereiro de 2017, iniciou um inquérito no que se refere à suspeita de lavagem de dinheiro no que toca a contas ligadas à oposição venezuelana.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum