Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
30 de julho de 2018, 12h14

Monja Coen visita Lula na sede da PF

A religiosa vai se encontrar com o ex-presidente às 16 horas na sede da PF e, em seguida, concede entrevista coletiva

(Foto: Divulgação/ site Monja Coen)

Lula recebe, nesta segunda-feira (3), a visita da Monja Coen Roshi, missionária oficial da tradição Soto Shu. A visita, segundo o site do ex-presidente, está prevista para ocorrer às 16 horas, na superintendência da Polícia Federal em Curitiba (PR), onde ele está preso há 115 dias. Às 17 horas, ela vai conversar com a imprensa no local. A coletiva vai ser transmitida ao vivo pelo Facebook na página oficial de Lula e na da Vigília Lula Livre.

Do rock ao monastério

Nascida em São Paulo, em 1947, Cláudia Dias Baptista de Souza, mais conhecida como Monja Coen, é uma mulher de muitas vidas. Quem hoje olha seu semblante tranquilo, de sorriso fácil e cabeça raspada, sequer supõe que ela casou aos 14 anos, foi mãe aos 17, trabalhou como jornalista, conviveu com o roqueiro Alice Cooper, foi presa na Suécia ao vender LSD e tentou o suicídio. Foi no zen, uma das vertentes do zen budismo que ela encontrou a paz e decidiu viver em um monastério.

Jornalista, a monja trabalhou do Jornal da Tarde e, aos 19 anos, teve o questionamento existencial que aflige quase todo ser humano: “O que estou fazendo da minha vida?”. Após uma temporada em Londres para afiar o inglês, a então repórter começou a ter contato com o budismo. Deixou o jornalismo para dar aulas de inglês, se aproximou dos primos Sérgio Dias e Arnaldo Baptista, dos Mutantes, e num show da banda conheceu um americano – que se tornaria seu segundo marido.

Ela foi morar na Flórida e acabou como ajudante dos roqueiros Alice Cooper e David Bowie – “Enrolei muito cabo de som”, recorda ela. Foi na Califórnia que ela deu o primeiro passo para adentrar os mosteiros. Encantada com a filosofia do zen, raspou a cabeça e se converteu. Assumiria o nome de Shin Getsu, ou Monja Cohen. Em 1997, tornou-se a primeira mulher e primeira pessoa de origem não japonesa a assumir a presidência da Federação das Seitas Budistas do Brasil, por um ano.

Coen tornou-se bastante popular principalmente por causa dos seus vídeos na internet. Os vídeos fizeram sucesso e o que estava restrito aos templos, ganhou as ruas. Em São Paulo, Coen mantém o templo Tenzuizenji. Numa rotina que começa às 6 horas da manhã e dificilmente acaba antes da meia-noite, a monja tem companhia dos alunos e de seus cachorros. “O templo é uma escola e um lugar de prática. Temos aulas de meditação para iniciantes, palestras e cursos de introdução ao zen budismo”, explica ela.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum