Fórumcast, o podcast da Fórum
09 de setembro de 2019, 14h08

Monsanto intimidou pesquisadores sobre câncer por glifosato, agrotóxico liberado por Bolsonaro

Arquivos divulgados por um escritório de advocacia mostram que a multinacional orientou legisladores a reduzir o apoio à Agência Internacional de Pesquisa em Câncer

Protesto contra o agrotóxico Roundup, da Bayer (Reprodução)
A Companhia Monsanto, multinacional de agricultura do grupo Bayer, sediado nos Estados Unidos e responsável por produzir o polêmico Roundup – herbicida potencialmente cancerígeno feito com glifosato, agrotóxico liberado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) no Brasil –  realizou diversos ataques políticos à Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (IARC) para barrar as pesquisas contra o uso do produto químico e retirar fundos da agência.
Se você curte o jornalismo da Fórum clique aqui. Em breve, você terá novidades que vão te colocar numa rede em que ninguém solta a mão de ninguém
As acusações contra a Companhia vieram a partir de diversos arquivos divulgados pelo escritório de advocacia Baum Hedlund, incluindo e-mails, documentos e transcrições de depoimentos da empresa. Os registros mostram que os advogados e lobistas da Monsanto  os legisladores, coordenando esforços para questionar a credibilidade da IARC e reduzir o apoio dos EUA ao organismo internacional.
Ainda, cada vez mais testemunhas afirmam que a Monsanto falhou em alertar os consumidores sobre os perigos do uso do Roundup e divulgou que o spray químico é inofensivo para os seres humanos, enquanto recomendava internamente que seus próprios funcionários usassem luvas e equipamentos de proteção. Atualmente, a Monsanto enfrenta 11 mil processos relacionados ao glifosato.
Em nota, a Bayer afirmou que leva a segurança de seus produtos e sua reputação a sério. “Trabalhamos para garantir que todos – de reguladores a clientes e outras partes interessadas – tenham informações precisas e equilibradas para tomar decisões sobre nossos produtos”, concluiu.
O Roundup já rendeu bilhões de dólares em lucros anuais à Monsanto desde o início de sua comercialização, na década de 1970. No entanto, seu uso disparou nas últimas décadas desde que a Companhia desenvolveu milho geneticamente modificado e outras culturas que são resistentes a ele – o Roundup é hoje o principal herbicida do mundo.
Glifosato no Brasil

Em fevereiro deste ano, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) fez uma proposta no sentido de manter liberada a venda de glifosato no Brasil, já que, segundo avaliação do órgão, não haveria evidências científicas de que a substância cause câncer, mutações ou má formação em fetos. Na época, a empresa alemã Bayer, que adquiriu a Monsanto, fabricante do produto, rechaçou as acusações de que a substância seja cancerígena.

Com informações do Intercept Brasil.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum