quinta-feira, 24 set 2020
Publicidade

Morte de fotógrafa chilena que registrava violência contra mulheres nas manifestações é investigada como assassinato

Do Chile, especial para a Fórum

A fotógrafa chilena Albertina Martínez Burgos foi encontrada sem vida na manhã desta quinta-feira (21), no apartamento onde morava, no centro de Santiago.

No apartamento de Albertina foram encontradas várias marcas de sangue em diferentes locais, e também o corpo mostrava lesões, razão pela qual o Ministério Público trabalha com a hipótese de homicídio.

Não é sócio Fórum? Quer ganhar 3 livros? Então clica aqui.

Feminista, a jovem tinha 38 anos e trabalhava como assistente de iluminação do canal de televisão Megavisión. Também fazia trabalhos como fotógrafa freelancer, e nas últimas semanas estava se dedicando a registrar casos de violência contra mulheres nas manifestações realizadas no país desde outubro.

Até o momento, não há indícios de que esse trabalho tenha sido a razão que provocou o seu assassinato. No entanto, alguns coletivos feministas, como a Frente de Mulheres do partido Convergência Social, desconfiam da investigação da Justiça e exigem uma perícia independente para indicar as causas da morte e a identidade dos envolvidos no assassinato. A promotora, Débora Quintana, descartou que isso possa ser possível, a não ser que seja solicitado pela família da vítima.

Victor Farinelli
Victor Farinelli
Jornalista formado pela Universidade Católica de Santos, há 15 anos é correspondente na Argentina (2004 e 2005) e no Chile (desde 2006).