Fórumcast, o podcast da Fórum
08 de setembro de 2019, 14h08

Na cartilha que reza Bolsonaro, Trump quer legalizar demissões de gays e transgêneros nos EUA

Departamento de Justiça dos EUA solicitou à Suprema Corte estadunidense que retire uma cláusula na lei que protege os trabalhadores de discriminação sexual. Ações vão à julgamento em 8 de outubro

Eduardo com Bolsonaro e Trump na Casa Branca (Foto: Alan Santos/PR)

Admirado por Jair Bolsonaro e tido como exemplo a ser seguido pelos governistas, Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, quer legalizar demissões de empregados gays e transgêneros tendo como alegação apenas a orientação e identidade sexual biológica das pessoas.

Se você curte o jornalismo da Fórum clique aqui. Em breve, você terá novidades que vão te colocar numa rede em que ninguém solta a mão de ninguém

Segundo reportagem do jornal espanhol El Diário, em parceria com o inglês The Guardian, no mês passado, o Departamento de Justiça dos EUA solicitou à Suprema Corte estadunidense que retire uma cláusula na lei que protege os trabalhadores de discriminação sexual.

A petição está vinculada a três processos em andamento na corte, que serão julgados no dia 8 de outubro e envolvem dois casos de homens gays demitidos e de uma mulher que foi mandada para a rua por seu empregador após ele demonstrar que ela é trans.

A lei que impede a discriminação sexual nos Estados Unidos é de 1964 e está transcrita no código de direitos civis. Porém, o governo Trump argumenta que a orientação sexual e a identidade de gênero não estão protegidas pela legislação, afirmando que “sexo” deve se referir apenas à questão de “masculinidade e feminilidade biológica”.

O argumento é o mesmo usado no Brasil por Bolsonaro e grupos conservadores para propagar a chamada “ideologia de gênero”, sob a alegação que o sexo é apenas um atributo fisiológico e que não existe identidade de gênero, construída a partir da relação com o meio.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum