#Fórumcast, o podcast da Fórum
27 de setembro de 2019, 21h53

Na ONU, Rússia propõe tratado de desarmamento e critica volta da Doutrina Monroe na América Latina

Em discurso na Assembleia Geral da ONU, chanceler russo condena ataques contra Venezuela e pede um pacto de controle de armas

Reprodução/Twitter

Em discurso na Assembleia Geral da ONU, o ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, apresentou um projeto de resolução que busca garantir o desarmamento e o controle de armas no mundo. A medida vai na contramão dos planos do presidente Jair Bolsonaro, que quer aumentar a circulação de armamentos no Brasil. Além disso, Lavrov também criticou o que ele chamou de um retorno da Doutrina Monroe na América Latina, citando diretamente o caso da Venezuela.

“Hoje gostaria de anunciar: nesta sessão da Assembleia Geral estamos apresentando o projeto de resolução ‘Fortalecimento e desenvolvimento do sistema de acordos sobre controle de armas, desarmamento e não-proliferação’. Convido a todos a participar nas negociações construtivas”, anunciou o chanceler russo, que representou o país na ausência de Vladimir Putin.

Lavrov disse ainda que este projeto tem como objetivo preparar as negociações da Conferência de Exame do TNP [Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares], após desentendimentos dos EUA e da Rússia em matéria de armas nucleares. Os EUA saíram do tratado INF, que regulava as armas de médio alcance de Rússia e EUA, e, em resposta, os russos deixaram um tratado com a OTAN.

Doutrina Monroe

Lavrov ainda condenou a reemergência da Doutrina Monroe na América Latina. “A Rússia rechaça a tentativa de promover o retorno das regras da Doutrina Monroe na América Latina, utilizado pelos Estados Unidos para derrubar regimes em estados soberanos realizando uma coerção ilícita, como bloqueios que acontecem em Cuba – desafiando resoluções das Nações Unidas”, declarou.

Nesse sentido repreendeu os ataques contra a Venezuela. “Estamos vendo tentativas de acrescentar a Venezuela na lista de países cujo Estado foi destruído, ante nossos olhos, mediante agressões ou golpes promovidos no exterior”, declarou.

Em coletiva proferida logo depois do discurso, Lavrov condenou a tentativa de acionamento do tratado militar TIAR contra a Venezuela, que se retirou do pacto em 2012, e criticou o líder opositor Juan Guaidó. “Os caprichos de Guaidó durante as negociações com o governo venezuelano demonstram que ele uma figura independente”, declarou.

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum