Fórumcast #19
24 de fevereiro de 2019, 23h29

“Não queremos que Cuba seja apêndice de Miami”, diz jornalista cubano sobre reforma constitucional

Segundo Iroel Sánchez, a nova constituição do país busca manter "os direitos e o que a revolução de Fidel e Raúl conquistou para a maioria dos cubanos"

(Foto: Venceremos/Cuba Debate)

Neste domingo (24), milhões de cubanos estiveram em um dos 25 mil colégios eleitorais em toda a ilha, das 7h às 18h para referendar a nova constituição do país. Até às 14h, já tinham comparecido às urnas 6,7 milhões de pessoas (6.772.619), o que representava 74,09% do total de eleitores (8,6 milhões). Vale lembrar que o voto em Cuba é facultativo.

“Em Cuba não há possibilidade de fraude eleitoral. As pessoas acreditam em suas instituições políticas e acreditam que elas são necessárias para defender o futuro dos cubanos e a independência do país”, diz o jornalista cubano Iroel Sánchez, que mantém o blog La Pupila Insomne e dirige o programa de TV La Pupila Asombrada.

Desde 1976, quando houve a última grande reforma constitucional, crianças guardam as urnas. Nesta eleição, 420 mil pessoas, entre crianças, estudantes, colaboradores e autoridades eleitorais cuidaram de todo o processo.

Em entrevista à Fórum, Sánchez explicou que o processo de construção da nova constituição se deu de forma democrática, envolvendo toda a população. “Tivemos 133 mil reuniões, onde participaram mais de nove milhões de pessoas e onde foram propostas mais de 700 mil alterações no projeto”, afirma.

Veja também:  “Não é digno de ocupar a Presidência”, diz Márcio Jerry a deputado com dois processos no Conselho de Ética

Sobre o documento em si, Sánchez sustenta que ele traz uma continuidade da revolução de 1959. “As pessoas querem que Cuba continue sendo cubana, que não seja um apêndice de Miami. E essa é a renovação que estamos fazendo para que isso permaneça. Para que permaneçam os direitos e o que a revolução de Fidel e Raúl conquistou para a maioria dos cubanos. E para que sigamos sendo um país independente, com voz própria, e que não esteja recebendo ordens dos Estados Unidos.”

Entre as mudanças, Cuba terá em sua Carta Magna o reconhecimento da propriedade privada, a instituição de um primeiro-ministro, a abertura ao casamento entre homossexuais e o limite de idade de 60 anos para se ser candidato à presidência, por um período de cinco anos, com possibilidade de um segundo mandato.

“Os cubanos querem essa mudança, mas sem renunciar a saúde pública que temos, para todos, universal, que permite fazer um transplante de coração ou uma diálise gratuitamente. Que o filho de qualquer pessoa, nasça onde nasça, pense como pense, more onde more, possa estudar em uma universidade, seja em medicina, engenharia, pedagogia. Que isso não mude”, destaca Sánchez.

Veja também:  Jovem carioca cria projeto que doa compressores de seios a pessoas trans de todo o Brasil

Assista à entrevista com o jornalista Iróel Sánhez, onde ele fala sobre o referendo, mas também sobre a importância de José Martí e de Fidel Castro para a história de Cuba.

 


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum