O que o brasileiro pensa?
30 de julho de 2020, 14h38

“Ninguém gosta de mim”: Trump se vitimiza ao comentar baixa aprovação nas pesquisas

Presidente dos EUA reclamou que cientistas que assessoram a Casa Branca mantêm alta popularidade, muito acima da dele, “apesar de eu seguir as suas recomendações” – o que não é verdade, seu governo muitas vezes contrariou o conselho assessor

Donald Trump e Anthony Fauci (foto: The Hill)

A entrevista coletiva de imprensa nesta quinta-feira (30), o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reclamou das últimas pesquisas de opinião, que mostram uma queda em sua popularidade e no quesito da opinião do público sobre como seu governo está administrando a pandemia no país.

A maior queixa do magnata tem a ver com a sua postura com relação à pandemia, em comparação com a dos dois cientistas mais requisitados pela mídia estadunidense nos últimos meses: Anthony Fauci e Deborah Birx, dois infectologistas que fazem parte do conselho assessor da Casa Branca, criado ajudar o governo a reagir à crise de saúde.

Segundo uma pesquisa realizada no final de junho pelo New York Times, 67% dos estadunidenses dizem confiar na palavra de Anthony Fauci a respeito de como a pandemia do coronavírus deve ser enfrentada, enquanto as recomendações de Deborah Birx contam com a confiança de 61%. No caso do presidente Trump, o apoio às suas medidas sobre a pandemia é de apenas 26%.

“Só posso concluir uma coisa diante desses números: Ninguém gosta de mim! Deve ser por causa do meu caráter, porque eu estou seguindo as recomendações do doutor Fauci e da doutora Birx, mas a popularidade deles está lá em cima, e a minha está muito abaixo. Eu queria entender a razão disso”, lamentou o presidente estadunidense.

No entanto, o argumento não é verdadeiro. Trump tem se destacado por contrariar as recomendações do conselho assessor, especialmente as dos cientistas do grupo, como Fauci e Birx, dando mais razão aos conselheiros militares.

Por exemplo, os dois infectologistas têm defendido desde o princípio a necessidade de impor uma quarentena rigorosa nas cidades mais povoadas, medida que é resistida pelo governo, que inclusive critica as cidades e estados que a tomaram – em postura parecida à de Jair Bolsonaro no Brasil.

Birx e Fauci também defendem a obrigatoriedade do uso de máscaras, medida que Trump se negava a apoiar até o início de julho, quando decidiu mudar de postura.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum