domingo, 20 set 2020
Publicidade

“Nostradamus eleitoral” dos EUA prevê que Trump não será reeleito

Ele é um simples professor de história dos Estados Unidos, seu nome é Allan Lichtman, e sua fama vem à tona nos noticiários a cada quatro anos. A razão é simples: ele acertou os resultados de todas (isso mesmo, todas!) as eleições estadunidenses, desde os Anos 80 até hoje.

Claro que ele não deixaria de fazer sua previsão também este ano, e ela não é nada boa para o atual residente da Casa Branca. Segundo o professor Lichtman, Donald Trump não conseguirá sua reeleição, e Joe Biden será o próximo presidente dos Estados Unidos.

Seu método é difícil de entender: está baseado na análise de 13 variáveis a partir de fórmulas de medição de terremotos. Pode parecer estranho, mas ninguém pode duvidar que é eficiente, ao menos para ele.

Em 2016, por exemplo, ele previu não só a vitória de Donald Trump contra Hillary Clinton, e em um momento em que ela liderava todas as pesquisas, como também afirmou que ele enfrentaria um processo de impeachment durante o seu mandato – o que era mais impensável ainda naquele então, mais que acabou acontecendo.

As 13 variáveis do método de Lichtman são as seguintes:

1) Maioria no Congresso (ponto a favor de Biden)

2) Relevância da oposição (ponto a favor de Biden)

3) Estar no cargo (ponto a favor de Trump)

4) Possível adversário alternativo (ponto a favor de Trump)

5) Situação econômica atual (ponto a favor de Biden)

6) Situação econômica após o mandato (ponto a favor de Biden)

7) Possibilidade de grandes mudanças políticas: (ponto a favor de Biden)

8) Protestos sociais durante último mandato (ponto a favor de Biden)

9) Escândalo durante último mandato (ponto a favor de Biden)

10) Grande fracasso de política militar/externa (ponto a favor de Trump)

11) Grande sucesso da política militar/externa (ponto a favor de Biden)

12) Carisma do candidato governista (ponto a favor de Trump)

13) Carisma do candidato opositor (ponto a favor de Trump)

Victor Farinelli
Victor Farinelli
Jornalista formado pela Universidade Católica de Santos, há 15 anos é correspondente na Argentina (2004 e 2005) e no Chile (desde 2006).