Seja #sóciofórum
05 de junho de 2019, 14h14

“O lixo se junta”, diz líder das Mães da Praça de Maio sobre visita de Bolsonaro a Maurício Macri

Em entrevista à Fórum, Hebe de Bonafini diz que Bolsonaro, que desembarca nesta sexta-feira (6) na Argentina, se confunde com o presidente argentino. "A gente já não se dá conta de quem é cada um. É como se o lixo se juntasse. Os exploradores, os ditadores, os assassinos se juntam entre si para explorar cada vez mais a América Latina"

Bolsonaro e Maurício Macri (Arquivo/PR)

A primeira visita de Jair Bolsonaro à Argentina, que acontece nesta quinta-feira (6), gerou revolta nos argentinos, que já convocaram protesto contra o presidente brasileiro. Hebe de Bonafini, líder da Associação das Mães da Praça de Maio, considera que Bolsonaro e o presidente argentino, Maurício Macri, são iguais e defende a mobilização contra a “exploração da América Latina”.

Em entrevista à Fórum, Hebe de Bonafini diz que Bolsonaro e Macri se confundem: “A gente já não se dá conta de quem é cada um. É como se o lixo se juntasse. Os exploradores, os ditadores, os assassinos se juntam entre si para explorar cada vez mais a América Latina”.

Questionada se na Argentina – um país que, diferentemente do Brasil, julgou os ditadores – o discurso defensor da ditadura tem ressonância, Hebe considerou que “o discurso autoritário tem ressonância nos canais do Estado que Macri promove, porque ele fala como Bolsonaro. Bolsonaro fala como Macri e Macri fala como Bolsonaro”.

Hebe de Bonafini, líder das Mães da Praça de Maio | Foto: Associação das Mães da Praça de Maio

Para ela, essa aproximação dos dois presidentes pode ser politicamente positiva para os dois, mas é bastante negativa para a população. “Bolsonaro pode ajudar Macri, e vice-versa. Quem eles não podem ajudar é o povo. E só quem pode ajudar o povo é o próprio povo. Não é o Parlamento, não é a Justiça. Nos libertaremos nas ruas”, declarou.

Hebe ainda aproveitou para saudar Lula: “quero mandar um grande abraço para Lula e reafirmar que é o povo quem pode nos libertar, nas ruas, nas praças, nos lugares que são nossos”. Em carta enviada em em 2017 ao ex-presidente, as Madres reconheceram que Lula era vítima de uma perseguição política: “reconheço em você um líder excepcional que, há décadas, luta por uma pátria latino-americana livre, justa e soberana – a mesma que queriam nossos filhos, os 30 mil desaparecidos”.

Mães da Praça de Maio
A Associação das Mães da Praça de Maio surgiu como resistência à ditadura militar argentina iniciada em 1976 por um grupo de mães que queriam encontrar seus filhos desaparecidos. Em busca de uma forma de visibilizar a luta pela aparição com vida dos filhos, essas mães decidiram iniciar uma ronda na Praça de Maio – a mais importante da Argentina – e até hoje é considerado um dos movimentos mais importantes na luta contra a ditadura e na construção de memória coletiva sobre aqueles tempos. Nas contas do movimento, mais de 30 mil pessoas foram desaparecidas durante a chamada “ditadura do terrorismo de estado”.

As rondas, iniciadas em 1977, acontecem até os dias de hoje, todas as quintas-feiras, às 15h, na mesma praça que reúne a Casa Rosada, a sede do Banco de la Nación e a Catedral de Buenos Aires. Coincidentemente, a visita de Bolsonaro ao palácio presidencial cai numa quinta-feira, e as Madres não poderiam ficar de fora dos protestos. Apesar de não constarem como signatárias da convocatória do ato, a marcha das mães está incluída na programação.

 

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum