Global

Ômicron possivelmente adquiriu material genético do vírus do resfriado, diz estudo

Análise realizada por empresa biomédica dos EUA aponta grande possibilidade da nova variante do Sars-Cov-2 ter realizado uma recombinação viral, já que fragmentos de um outro coronavírus foram encontrados no agente causador da Covid-19

Compartilhar

Cientistas da empresa Nference, com sede no estado de Massachussetts, no EUA, informaram que muito provavelmente uma das mutações sofridas pelo Sars-Cov-2, o vírus causador da Covid-19, que resultou na variante Ômicron, foi ocasionada por uma recombinação viral com um outro tipo de coronavírus, menos agressivo, o HCoV-229E, causador do resfriado comum.

Análises feitas no Sars-Cov-2 em sua nova cepa mostraram que fragmentos do coronavírus do resfriado foram encontrados no agente responsável pela mais assustadora pandemia dos últimos 100 anos. Isso teria ocorrido no interior das células humanas em decorrência da coinfecção pelos causadores da Covid-19 e do resfriado comum simultaneamente, que por meio desse tipo de “convivência” trocam material genético.

É durante essa coinfecção, quando os dois agentes estão em processo de replicação no interior das células, que ocorre a troca de material genético, permitindo que algumas cópias desses coronavírus saiam com partes comuns das duas estruturas originais.

Segundo Venky Soundararajan, cientista que coordenou o estudo publicado pela plataforma OSF Preprints, o Sars-Cov-2 pode ter adquirido algumas características do HCoV-229E para que assim fique mais “familiar” ao sistema imunológico humano, evitando um contra-ataque agressivo ao invasor. Se aplicada a mesma lógica vista em outros recombinações virais, a tendência é de que o vírus causador da Covid-19 fique cada vez menos agressivo ao ser humano, causando sintomas cada vez mais leves.

No entanto, ainda será necessário esperar mais algumas semanas ou meses para que os cientistas tenham dados concretos sobre a transmissibilidade e, principalmente, sobre a letalidade da variante Ômicron, detectada pela primeira vez na África do Sul, em novembro, e que colocou o mundo em alerta.

Notícias relacionadas

Este post foi modificado pela última vez em 4 dez 2021 - 17:45 17:45

Henrique Rodrigues

Jornalista e professor de Literatura Brasileira.

Por
Henrique Rodrigues

Última hora

  • Debates

O País do futuro – Por Luiz Claudio Romanelli

O escritor austríaco Stefan Zweig assina o livro “Brasil, um país do futuro”, no qual…

27 jan 2022 - 23:13
  • Blog do Mouzar

Sob a regência de Júlio Medaglia… E viva Chico Buarque! – Por Mouzar Benedito

Em seu blog, Mouzar Benedito relembra o "Quinteto do Couro da Geografia" da USP e…

27 jan 2022 - 23:00
  • Fala que eu discuto

Serguei, o mito – Por Lelê Teles

Pansexual, panafricanista, panamericano e pândego, foi uma espécie de Palhaço Krusty do roque nacional, ninguém…

27 jan 2022 - 22:46
  • Política

Sinalização de Lula ao centro atrai investimentos estrangeiros, diz sócio de gestora de fundos

Investidor estrangeiro, diante da postura de Lula, está mais otimista que o investidor local, afirma…

27 jan 2022 - 22:21
  • Política

Com 1% nas pesquisas, Simone Tebet tem candidatura ratificada por Temer: “pra valer”

Pesquisa Ipespe divulgada nesta quinta-feira mostra a senadora Simone Tebet com dificuldades de emplacar como…

27 jan 2022 - 21:55
  • Brasil

Câmeras reduzem em 85% as mortes em batalhões da PM de SP monitorados

Tecnologia fez ações letais desabarem. Na Rota, por exemplo, as ocorrências quase acabaram

27 jan 2022 - 21:51