Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
30 de outubro de 2019, 17h01

Os desafios de Alberto Fernández

Entre o FMI e os credores privados, o governo de Macri endividou a Argentina em mais de 100 milhões de dólares e é uma herança que o novo governo deve enfrentar com muito cuidado para que a crise não se agrave

Reprodução

Por Augusto Taglioni*, especial para a Revista Fórum 

Alberto Fernández é o novo presidente da Argentina e, com sua eleição, assumirá uma série de desafios para o futuro do desenvolvimento do país com base na produção e no emprego.

Mauricio Macri deixa um país com 10% de desemprego, 40% de pobreza e inflação anual de quase 60 pontos. Além disso, o país está imerso em uma emergência alimentar que nos obriga a pensar em medidas de emergência para que uma parte importante da sociedade possa comer.

Nesse contexto, Alberto Fernández propôs um plano contra a fome que envolve o Estado, e também movimentos sociais, sindicatos, organizações religiosas e empresas como a multinacional Syngenta, com capitais chineses, que prometem dar 1% da produção para garantir comida.

Outro problema com o qual o presidente eleito deve lidar é a restrição externa e a dívida com o Fundo Monetário Internacional (FMI). A agência financeira depositou 60% de sua capacidade de empréstimo na Argentina e tem um desembolso final de 5400 milhões de dólares pendentes.

Entre o FMI e os credores privados, o governo de Macri endividou o país em mais de 100 milhões de dólares e é uma herança que o novo governo deve enfrentar com muito cuidado para que a crise não se agrave.  É claro que, mesmo sem detalhes sobre o que sua equipe econômica fará, Alberto Fernández terá que enfrentar uma discussão com cada um dos credores da dívida privada e, pelo menos, uma renegociação dos prazos de vencimento com o FMI que começam em 2020.

Apesar disso, o contexto internacional é incerto, não apenas porque temos a China e os Estados Unidos no meio de uma guerra comercial, mas também devido ao grau de fragmentação regional em vigor com o Mercosul em espera diante da rejeição de Jair Bolsonaro ao resultado eleitoral e da possibilidade de mudança de governo no Uruguai.

Fernández prepara uma aliança estratégica com o presidente do México, Andrés Manuel Lopez Obrador, com quem pretende contrabalancear a incidência dos Estados Unidos e do Grupo Lima na região.

O relacionamento com o Brasil e a crise venezuelana serão dois desafios complexos. O vínculo com Bolsonaro é uma grande questão, já que o pedido explícito pela liberdade de Lula feito por o Alberto e o grau de fundamentalismo do presidente brasileiro e interlocutores como Eduardo Bolsonaro, Paulo Guedes e Ernesto Araujo antecipam um relacionamento repleto de dificuldades. Talvez, como em outras questões, o vice-presidente Hamilton Mourão acabe diminuindo a tensão.

Então, os industriais brasileiros terão uma relação prejudicada entre dois aliados estratégicos? Parece que não.

Sobre a Venezuela, a posição é clara. O novo presidente dos argentinos defende que o diálogo e saída democrática da crise venezuelana devem ser resolvidos pelos venezuelanos.  Isso colocará em tensão o setor mais radicalizado liderado pelo Brasil, Chile e Colômbia.

Em resposta ao tweet de saudação de Nicolás Maduro, ele deixou clara sua posição: “Obrigado, Nicolás Maduro, por seus parabéns. A América Latina deve trabalhar em conjunto para superar a pobreza e a desigualdade que sofre.  A validade total da democracia é o caminho para alcançá-la”.

Por sua vez, foi importante o apoio que o novo presidente da Argentina deu ao presidente da Bolívia, Evo Morales, que parabenizou e reconheceu sua vitória em 20 de outubro. Em um contexto de alegações de fraude por parte da oposição e diante de uma auditoria da OEA, o apoio de duas das três maiores economias da América Latina, como Argentina e México, é mais do que um apoio relevante.

Finalmente, é importante mencionar que os resultados do domingo estabeleceram um sistema político hegemonizado por dois polos bem marcados entre um espaço baseado no peronismo, perfil progressista e industrial-regionalista, e outro de caráter liberal-social-democrata, em alguns casos pró-mercado e com uma relação mais próxima com os Estados Unidos.  Este bifrentismo antecipa fortes disputas e exigirá uma boa negociação para realizar debates importantes no Parlamento.

Alberto Fernández terá que se encarregar de um país devastado com o objetivo de combater a fome e a pobreza, recuperar o emprego e equilibrar uma região complexa, fragmentada e com juros.

*Augusto Taglioni é jornalista, diretor do Resumen del Sur


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum