Exclusivo: Patrícia Lélis conta como foi o “encontro” com Moro, que fugiu após o escracho

"Toda vez que eu o encontrar vou lembrá-lo que ele destruiu o Brasil"; saiba como foi

Na noite desta sexta-feira (18), a jornalista Patrícia Lélis encontrou o ex-juiz Sérgio Moro durante uma caminhada em Georgetown, em Washington (EUA), e aproveitou o momento para fazer um escracho. O vídeo que mostra o momento em que Lélis constrange Moro afirmando que ele “destruiu o Brasil” rapidamente viralizou nas redes sociais.

À Fórum, Patrícia Lélis deu mais detalhes sobre o “encontro” inusitado. Segundo ela, essa já é a terceira vez que se depara com o ex-magistrado no bairro em que vive. “Na primeira vez eu estava com meu marido em um restaurante e ele estava lá. Só que a gente pensou que ele estava de férias, aí nem falei nada. Outro dia eu estava indo para o trabalho e vi do carro. Aí, hoje, eu vi de novo”, relatou.

Desta vez, ela estava fazendo uma caminhada em seu bairro quando se deparou com o ex-juiz e sua esposa na rua. O vídeo divulgado nas redes acaba quando Moro, visivelmente irritado e constrangido, chama Lélis de “mocinha” e pede para que ela pare de filmar, e com ela dizendo “Lula livre”.

O constrangimento, no entanto, não parou por aí. Após a gravação, segundo a jornalista, Moro a chamou de “petista”, ao que ela respondeu: “Sou petista mesmo. Ano que vem vou apertar o 13 tão forte que você vai sentir no seu c*”. O ex-juiz, recentemente declarado suspeito pelo STF, então, passou a apertar o passo para fugir de mais exposição.

“Toda vez que eu encontrá-lo, vai ser assim. Que volte pro Brasil de Bolsonaro!”, concluiu Patrícia Lélis.

Assista ao momento.

Notícias relacionadas

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR