O que o brasileiro pensa?
23 de junho de 2020, 15h09

Piñera adota linha de Bolsonaro e cria comissão para desconhecer iniciativas do Legislativo no Chile

Presidente neoliberal tenta, com isso, impedir a tramitação de propostas da oposição, como a que promove um imposto transitório sobre grandes fortunas durante a quarentena, para financiar a ajuda social à população mais carente

Jair Bolsonaro e Sebastián Piñera (foto: Agência Uno)

Embora não apareça nos noticiários, o Chile tem se transformado, aos poucos, sem fazer alarde, em um dos países mais afetados pela pandemia do novo coronavírus. O país já é o sétimo do mundo com maior número de casos de covid-19 no mundo, e está ainda pior em termos proporcionais, já que é o de menor população (18 milhões de habitantes) entre os 10 mais afetados.

Diante dessa situação, o presidente Sebastián Piñera, que vem enfrentando sérios problemas políticos desde a revolta social iniciada no país em outubro de 2019, decidiu comprar uma briga com o Poder Legislativo.

Ao melhor estilo Jair Bolsonaro (um dos seus principais aliados na região), Piñera anunciou que criará uma comissão cuja tarefa será “avaliar a admissibilidade das iniciativas do Congresso Nacional”. Em outras palavras, leis aprovadas no Congresso sem o consentimento do Poder Executivo receberão veto antes mesmo de tramitar entre os deputados e senadores.

Assim, o presidente boicotaria de antemão algumas medidas que vêm causando moléstia na direita neoliberal que governa o país – como, por exemplo, a iniciativa da Frente Ampla e do Partido Comunista de criar um imposto sobre grandes fortunas transitório durante a quarentena, para financiar a ajuda social à população mais carente.

Diversos partidos e movimentos sociais reagiram de forma indignada à proposta de Piñera. A Mesa de Unidade Social, entidade surgida das revoltas sociais de 2019 e que reúne diferentes movimentos sociais antifascistas e antineoliberais, publicou um comunicado dizendo que a proposta do presidente “flerta com um modelo de democracia autoritária que tem cada vez menos de democrático e cada vez mais de autoritário”.

Já a jornalista Beatriz Sánchez, candidata presidencial da Frente Ampla em 2017 e uma das principais líderes da esquerda no Chile, disse que “o presidente Piñera tem o dever constitucional de honrar a democracia e a igualdade dos poderes diante da lei, assim como o de proteger os cidadãos em tempos de crise, e não está fazendo nem uma coisa nem outra”.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum