Piñera não consegue apoio para Estado de Exceção e pode cair em breve

Mensagem do presidente chileno em rede nacional mudou de horário duas vezes e terminou ficando em anúncios vazios: convocou policiais reformados para fortalecer a segurança e processos contra supostos causadores de distúrbios. Deixou uma imagem de completo isolamento político

Do Chile, especial para a Fórum

O anúncio em rede nacional prometido pelo presidente Sebastián Piñera terminou em um grande vexame político, que tornou ainda mais questionável a sua capacidade de se manter no poder.

Em sua mensagem, realizada após mudar duas vezes o horário da transmissão, o mandatário chileno anunciou que reforçará a segurança nacional, convocando policiais reformados (ou seja, aposentados), e iniciando processos contra responsáveis por atos de distúrbio e vandalismo acionando a Lei de Segurança Nacional, mas sem apresentar nomes dos supostos denunciados.

Além disso, voltou a falar dos seus projetos de renda universal (com valor pouco acima do salário mínimo) e reforma constitucional (mas sem assembleia constituinte), ambos rejeitados pelos movimentos sociais, nos dois últimos grandes protestos: o desta terça-feira (12) e o da sexta-feira passada (8), ambos com mais de um milhão de pessoas nas ruas.

Adiamentos e isolamento

Após esta terça-feira (12) de greve geral, na qual os chilenos colocaram milhões de pessoas nas ruas, em manifestações na capital Santiago e todas as capitais regionais e cidades importantes do país, além de fechar todos os portos, aeroportos e aduanas, Piñera anunciou uma transmissão em rede nacional, que, inicialmente, estava marcada para as 21h, e que foi agendada minutos após a chegada ao Palácio de La Moneda (sede do Executivo) do ministro da Defesa, Alberto Espina, e os principais comandantes militares.

Tal situação levou a fortes rumores de que ele instalaria novamente um Estado de Exceção, como fez no dia 20 de outubro (na ocasião, a medida durou sete dias). Porém, não houve nenhum anúncio às 21h e, diante da apreensão dos jornalistas, somente às 21h40 chegou a informação de que o anúncio seria às 22h. Outro erro, porque tampouco ocorreu nesse horário.

Somente às 22h37, Piñera apareceu para fazer um anúncio que não foi o que se esperava. Muitos analistas da imprensa local comentaram, durante os minutos de espera, que a demora evidenciava que o presidente não contava com apoio parlamentar para decretar o Estado de Exceção, provavelmente por que os partidos de centro (especialmente da Democracia Cristã, que apoiou a medida em outubro) não estavam ao seu lado desta vez.

Vale recordar que, durante o final desta mesma tarde, todos os deputados da oposição entregaram uma carta exigindo de Piñera um chamado a uma assembleia constituinte. No dia anterior, dois senadores opositores pediram que ele renunciasse e convocasse novas eleições, junto com um plebiscito constituinte.

O resultado do anúncio desta noite foi um dos maiores vexames políticos da história do país, por parte de um presidente que deixou em evidência que está encurralado.

Avatar de Victor Farinelli

Victor Farinelli

Jornalista formado pela Universidade Católica de Santos, há 15 anos é correspondente na Argentina (2004 e 2005) e no Chile (desde 2006).