Piñera não tem mais como se sustentar presidente do Chile

Mais de 1 milhão nas ruas de Santiago pedem uma nova Constituição e a renúncia do presidente chileno

As mobilizações contra o presidente do Chile, Sebastián Piñera, levaram cerca de um milhão de pessoas às ruas da capital Santiago nesta sexta-feira (25) na maior manifestação popular desde a redemocratização no país, segundo a imprensa local. Os manifestantes lotaram as ruas da cidade pleiteando contra Piñera, a desigualdade social e o sistema neoliberal que vigora no país.

Um vídeo produzido pela Polícia Civil e publicado pela prefeita Karla Rubilar demonstra a amplitude dos protestos, que tomaram Santiago mesmo com a forte repressão que tem aumentado no país, sob ordens de Piñera. Segundo veículos de comunicação chilenos, como o jornal El Desconcierto, a Agência Uno e o Chileokulto, essa é a maior marcha da história do país. A Prefeitura informa que cerca de um milhão de pessoas foram às ruas da capital.

No rastro do crime ambiental nas praias do Nordeste: Ajude a Revista Fórum a mergulhar na realidade dessa grande tragédia

“#EstoPasaEnChile Descomunal e histórica marcha chamada #LaMarchaMasGrandeDeChile, onde milhões de santiaguinos em se manifestam pedindo #RenunciaPiñera. Esta manifestação é a maior da história do Chile e reúne mais de um milhão de pessoas”, publicou o Chileokulto no Twitter.

Origem

Os protestos tiveram início após o anúncio do aumento das passagens do metrô. A pressão popular foi suficiente para Piñera voltar atrás e suspender o reajuste. No entanto, as manifestações prosseguiram.

A população denuncia o alto custo de vida, baixos salários, perverso sistema de aposentadoria, semelhante ao que entrará em vigor no Brasil, problemas na saúde e na educação, que não são acessíveis à população toda.

Confira fotos e vídeos:

 

 

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.