O que o brasileiro pensa?
19 de junho de 2020, 16h14

Possível ida de Weintraub ao Banco Mundial causa temor entre atuais e ex-integrantes da instituição

A chegada à instituição multilateral de uma pessoa que já deu declarações se dizendo inimiga do multilateralismo por fazer o Brasil virar “piada internacional”

Reprodução/Twitter

Uma matéria do jornal Estadão, publicada nesta sexta-feira (19), mostrou uma série de depoimentos coletados de forma reservada com atuais integrantes e ex-integrantes do Banco Mundial, sobre a possibilidade de a instituição ter como seu novo diretor executivo o ex-ministro da Educação do governo de Jair Bolsonaro, Abraham Weintraub.

Segundo a matéria, as fontes ouvidas ligadas ao organismo se disseram “chocadas” com a indicação de Weintraub, confirmada em nota pelo Ministério da Economia do Brasil.

A principal questão a respeito da chegada de Weintraub ao Banco Mundial é o fato de que se trata de uma pessoa que já deu declarações se dizendo inimiga do multilateralismo. Isso poderia fazer o Brasil virar “piada internacional”, de acordo com as figuras consultadas.

Um ex-integrante do alto escalão do Banco Mundial, que aceitou ser entrevistado em caso de reserva da sua identidade, se disse preocupado com o fato de que Weintraub terá que se adaptar ao código de ética da entidade, que impõe restrições a declarações polêmicas e uso das redes sociais de uma forma geral.

O entrevistado lembrou de recentes declarações do ex-ministro atacando a China e outros países-membro, ou defendendo teorias conspiratórias, atitudes que costumam ser muito mal vistas na instituição.

Os consultados pela reportagem também consideram pouco provável que, com a indicação oficializada, Weintraub não tenha seu nome aprovado, já que se trata de um procedimento ar de a indicação ainda ter que ser aprovada por outros países, já que, por mais que o seu nome cause polêmica, se trata de um procedimento protocolar. O Banco Mundial é um órgão multilateral integrado por 186 países-membros, e responsável pelo financiamento de projetos em países em desenvolvimento. Além disso, o ex-ministro ganhará um salário quase quatro vezes maior que o recebido em Brasília.

Outro que comentou sobre a ida de Weintraub ao Banco Mundial foi o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, que lembrou o episódio em que ele foi economista do Banco Votorantim, e um dos economistas responsáveis pela quebra do mesmo, em 2009.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum