Prefeito de Nova York enquadra Bolsonaro: “Se não quer ser vacinado, nem venha”

Em pronunciamento, Bill De Blasio citou nominalmente o presidente brasileiro ao cobrar vacinação dos líderes para participar da Assembleia Geral da ONU

Publicidade

O prefeito de Nova York (EUA), Bill De Blasio, enquadrou o presidente Jair Bolsonaro, nesta segunda-feira (20), ao cobrar vacinação contra a Covid-19 para participar da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), que acontece esta semana na cidade.

“Precisamos mandar uma mensagem a todos os líderes mundiais, especialmente Bolsonaro, do Brasil, de que se você pretende vir aqui, você precisa ser vacinado. E se você não quer se vacinado, nem venha, porque todos devem estar seguros juntos. Isso significa que todo mundo deve estar vacinado”, declarou o democrata.

Publicidade

A cidade de Nova York tem regras que exigem comprovante de vacinação contra a Covid para acessar locais fechados, como restaurantes, cinemas, museus e como a própria sede da ONU.

A organização da Assembleia Geral, diferentemente do prefeito Bill De Blasio, no entanto, informou que não cobrará vacinação dos chefes de Estado.

Publicidade
Publicidade

No domingo (19) Bolsonaro chegou a Nova York e, pós entrar pelos fundos do hotel Intercontinental para evitar se deparar com protestos, o presidente foi fotografado comendo pizza na rua, já que, como uma pessoa que não se imunizou, não pode entrar em restaurantes.

O presidente brasileiro é o único entre os chefes de Estado do G-20 que não tomaram vacina contra a Covid.

Publicidade
Publicidade

Assista, abaixo, o pronunciamento do prefeito de Nova York sobre o assunto, com legendas em inglês.

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR