Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
10 de fevereiro de 2020, 11h19

Presidente de El Salvador usa militares para coagir Parlamento a aprovar endividamento

Nayib Bukele também convocou uma “insurreição popular” caso não se aprove uma lei para endividar o país, para financiar um plano de segurança. “Vamos dar uma semana para esses sem vergonha”, ameaçou o mandatário.

Militares no Congresso em El Salvador (Reprodução/Twitter)

Neste domingo (9), o Parlamento de El Salvador teve uma sessão extraordinária sob duríssimas condições, já que o presidente do país, Nayib Bukele, acionou as Forças Armadas para forçar a realização do uma votação sobre um projeto do seu interesse.

Oficialmente, Bukele afirmou que a presença dos militares era para proteger a ele mesmo que também estava no Parlamento, para pressionar os militares a votar um projeto que visa endividar o país para financiar o novo plano de segurança, com o qual, assegura, “o crime organizado e o tráfico de drogas vai acabar em El Salvador”.

Porém, o que se viu foi que alguns soldados também estavam presentes na sessão, e com fuzis em mãos. No fim, não houve votação, porque eram poucos os parlamentares presentes, e a maioria eram do seu partido.

Além dos militares, Bukele também convocou um grupo de seguidores, que marcou presença do lado de fora do edifício legislativo.

O mandatário salvadorenho é um empresário de 38 anos, conhecido na América Central como “o presidente millennial”. Chegou ao poder com um discurso que enfatizou a “renovação na política” e de completa ojeriza aos que chama de “políticos tradicionais”.

Na sexta-feira (7), ele fez um chamado aos seus apoiadores, dizendo que “cada cidadão tem o direito à insurreição, se os políticos tradicionais não fazem aquilo que o povo espera deles”. No caso, o que “o povo espera”, segundo Bukele, é que o Estado salvadorenho adquira uma dívida de 109 milhões de dólares para comprar equipamentos para as polícias e as mesmas forças armadas que invadiram o Parlamento neste domingo.

O uso da palavra “insurreição” também não foi por acaso, e tem a ver com outra frase dita por Bukele em sua convocação: “vamos dar uma semana para esses sem vergonha. Se não aprovam o projeto, não sou eu que vou me colocar entre o povo e o artigo 87 da constituição”.

O artigo citado é justamente o que fala em permitir uma “insurreição popular”. Contudo, o texto diz reconhecer esse direito em função de “restabelecer a ordem constitucional”. O texto, basicamente, institucionaliza o golpe de Estado, mas não há nenhuma parte dele que justifique seu uso para obrigar o Parlamento a votar um projeto de lei, como está fazendo Bukele.

Aliás, não é a primeira vez que o presidente millennial ameaça usar o artigo 87, e estimular a “insurreição popular”. No ano passado, ele utilizou o mesmo discurso para aprovar ao menos duas reformas do seu governo.

Antes de deixar o edifício legislativo, o presidente salvadorenho rezou, disse que escutou Deus pedindo a ele para ter paciência, e comentou que gostou de ver as cadeiras do Parlamento vazias: “para que possam ser preenchidas por gente honesta no futuro”, explicou.

A iniciativa de Bukele neste domingo foi criticada pela organização Human Right Watch, cujo presidente, José Miguel Vivanco, pediu ao secretário-geral da OEA (Organização dos Estados Americanos), que convoque uma reunião urgente frente sobre o tema, que ele qualificou como uma “exibição de força bruta”. Almagro, sempre muito rápido em opinar sobre a Venezuela, não se manifestou sobre o assunto até o momento.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum