Protestos contra Bolsonaro são registrados em várias partes do mundo

Com faixas de “genocida”, “fora” e “Jail Bolsonaro”, Nagoya, no Japão, Lisboa, em Portugal, Salamanca, na Espanha, Berlim e Freiburg, na Alemanha, e Viena, na Áustria, são as primeiras cidades do exterior a dar início ao #24J

Os primeiros relatos e imagens das manifestações contra Jair Bolsonaro ocorridas no exterior começam a chegar na manhã deste sábado (24).

Brasileiros e estrangeiros foram às ruas em diversos países. Em Nagoya, metrópole do Japão, país que está sediando as Olímpiadas (que deveriam ter ocorrido em 2020, mas foram adiadas por conta da pandemia), uma faixa com um trocadilho referente ao nome do presidente, “Jail Bolsonaro” (prisão, em inglês) foi estendida num viaduto do centro da cidade.

Em Lisboa, capital portuguesa, os registros vêm da Praça do Rossio, marco zero da cidade. Os primeiros manifestantes trouxeram faixas onde se lê “Bolsonaro Genocida”.

Duas cidades alemãs já deram início aos atos contra o presidente extremista brasileiro. Pessoas protestam em Berlim, capital do país, em frente ao emblemático Portão de Brandemburgo, e em Freiburg, na região de Baden-Württemberg. Elas carregam faixas que culpam Bolsonaro pelo desastre humano ocorrido aqui durante a pandemia, pedem sua saída e chamam o líder radical de genocida.

Numa praça da região central de Viena, na Áustria, cartazes e faixas foram estendidos no chão e serviram para alertar a população do país europeus sobre os fatos ocorridos no Brasil durante o governo de Jair Bolsonaro.

Em Salamanca, na Espanha, brasileiros protestaram na Plaza Mayor, local mais visitado da cidade que fica na região de Castilla y León.

Notícias relacionadas

Avatar de Henrique Rodrigues

Henrique Rodrigues

Jornalista e professor de Literatura Brasileira.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR