#Fórumcast, o podcast da Fórum
28 de setembro de 2013, 15h31

Putin: Entre a paz, a Santa Rússia e a homofobia

Para restaurar a força do país, o presidente russo converteu o cristianismo ortodoxo no novo conceito nacional de coesão, substituto da doutrina unificadora marxista da URSS

Para restaurar a força do país, o presidente russo converteu o cristianismo ortodoxo no novo conceito nacional de coesão, substituto da doutrina unificadora marxista da URSS

Por Nazanin Armanian, publicado originalmente em Publico.es e traduzido por Esquerda.net

A engenhosa proposta russa para a Síria pôr as suas armas químicas sob o controle internacional e assim desativar o ataque militar dos EUA coloca Vladimir Putin no centro da arena internacional frente a um belicista temerário como Barack Obama, desacreditado pela moral dúplice e pela indecisão.

Para além de se pôr do “lado correto da história”, – e apesar de os EUA poderem procurar outro pretexto para agredir a Síria -, Putin depois de anos de esforço está conseguindo que o seu país volte a desempenhar o papel de superpotência, após duas décadas de letargia. Para isso, valeu-se de duas “armas” principais: ser o primeiro produtor mundial de gás e de petróleo e ser o centro da religião ortodoxa cristã.

O aumento dos preços do petróleo durante a década passada e a sua incursão no grupo BRICS (Brasil, Rússia, Índia, Chinesa e África do Sul) são algumas das causas de um crescimento econômico de 6,8% (em 2011). Hoje, a Rússia capitalista, que apesar da destruição da URSS não se converteu num “Estado falhado” e sobreviveu às “revoluções de cores” fabricadas em Washington, conta com 10% das reservas do ouro mundial e é a terceira reserva monetária maior do mundo após a China e o Japão, bem como tem o segundo lugar no pódio planetário em número de multimilionários… enquanto que 43% da população vive na pobreza. Não serve de consolo que esta cifra seja de 48% nos EUA.

A Santa Aliança

O patriarca Kirill e Vladimir Putin: nova Santa Aliança russa (Esquerda.net)

Ainda que Vladimir Putin não tenha chegado a ser como George Bush, que chegou a dar início às reuniões da Casa Branca com uma prece, nem seja a cabeça da Igreja como a rainha Isabel II de Inglaterra, mas pede a bênção do clérigo ortodoxo e protege a fé e Deus como ninguém.

Com o fim de restaurar a força da Rússia, o homem de olhar penetrante impulsionou algo parecido como uma segunda cristianização do país, e converteu o cristianismo ortodoxo no novo conceito nacional de coesão, substituto da doutrina unificadora marxista da era soviética e fazendo barreira ao avanço imparável do catolicismo rival, símbolo do capitalismo ocidental.

Em 1997, a Lei Ieltsin suprimiu a igualdade de todas as religiões perante a lei, outorgou importantes privilégios à Igreja Ortodoxa, acabando com o sonho do Papa polaco João Paulo II de “catolizar a Rússia”, como prêmio da sua estreita colaboração com a CIA na destruição da União Soviética (ler: O Vaticano contra os EUA).

Esta sociedade agnóstica, ainda que respeitosa com a sua poderosa igreja, que necessita de hospitais, escolas ou residências de idosos, não sabe por que é que o número de igrejas e mosteiros ascendeu de 5.318 em 1985 para 31.200 em 2012. Está prevista a instalação em São Petersburgo do monumento a Jesus Cristo mais alto da Europa, com 33 metros de altura, o que supõe a elevação deste fervor ressuscitado das épocas czaristas.

O Kremlin, através desta igreja, mantém laços de influência em países como Bielorrúsia, Geórgia, Ucrânia, os países da antiga Jugoslávia, Romênia, Moldávia, Bulgária, Grécia, Chipre e Armênia, mas também no Cazaquistão, Quirguistão, Uzbequistão, Turcomenistão, Médio Oriente e sobre os 25 milhões de russos que a desintegração da URSS deixou em países hoje independentes.

O patriarca Kirill conta com a autoridade sobre os 225 milhões de fiéis em todo mundo. Com uma ativa diplomacia, o chefe desta instituição visitou Ucrânia, Polónia, Grécia, Jerusalém, Líbano e Síria, onde foi fotografado com o presidente Assad, elogiando o seu trato com os cristãos.

A religião ortodoxa, por outro lado, resulta muito também para manter o controle e a ordem social, legitimar as políticas conservadoras, e certamente vigiar o Islã professado por 24 milhões de fiéis (ou seja, mais muçulmanos que na própria Arábia Saudita) com um alto índice de natalidade.

A acusação de “vandalismo motivado por ódio religioso” e o encarceramento das cantoras do grupo punk Pussy Riot, que denunciavam os laços entre Putin e a hierarquia da Igreja Ortodoxa, foi continuada pela aprovação de uma lei anti-blasfêmia que castiga com penas de até três anos de prisão as ofensas contra a religião: começa a caça de bruxas e de bruxos.

Os bolcheviques abriram os armários

Com pequenas discrepâncias, houve uma abstenção e nenhum voto contra (nem o da esquerda), o parlamento russo aprovou a lei contra a “propaganda gay”, apoiada por uma grande maioria de cidadãos que equipara a homossexualidade com a pedofilia, apesar de grandes e queridos artistas e intelectuais como Tchaikovsky, Pushkin, Gogol, Kuzmin, ou Ivanov terem sido gays.

Paradoxo de um país que quando foi dirigido por Lênin se converteu no primeiro Estado do mundo a legalizar a homossexualidade, despenalizando a “sodomia”. Os EUA fizeram o mesmo em 2003! Foi Stálin quem em 1933 voltou a castigá-la com cinco anos de prisão. Aquele georgiano considerava-a um produto da decadência moral dos exploradores, um produto propagado pelos nazis que assim atentavam contra a moral do proletariado. Por sua vez, os fascistas chamavam de “cultura bolchevique” a homossexualidade e a libertação da mulher, ambas símbolos da degeneração moral.

Seguindo as diretrizes de Stálin, os partidos comunistas e socialistas de todo o mundo recusaram como militantes aqueles que fossem suspeitos de amar alguém do seu próprio sexo.

Os motivos reais por trás da campanha homófoba russa são:

1. Tal como há 3 mil anos, juntamente com a criminalização do aborto, a proibição de relações homossexuais entre homens faz parte das medidas pró natalidade destinadas a aumentar a população do grupo. A Rússia, que em 1991 contava com 149 milhões de habitantes, em 2001 baixou para 146 milhões e prevê-se que em 2030, com este ritmo, se reduza para os 128 milhões. Diminuem os nascimentos, aumenta a mortalidade pela deterioração na qualidade de vida, que deixa a esperança de vida em 69 anos. Precisa-se mão de obra e por isso oferecem-se incentivos econômicos e laborais para quem tenha filhos. As reticências impostas à política de adoções de crianças russas por estrangeiros também procede desta perspectiva.

2. Medo de perder o controle sobre o corpo e a mente dos cidadãos

3. Manter o sistema patriarcal e o poder dos homens numa sociedade machista e preservar a estrutura da família tradicional, apesar da sua disfuncionalidade.

4. Desviar com estas campanhas a atenção pública dos graves problemas sociais da população.

A Anaconda não é só um réptil

A Anaconda é o nome nepalês da serpente “assassino de elefantes”, que rodeia e estrangula a sua presa lentamente, mas também é a contrassenha da estratégia desenhada pelos EUA de rodear a Eurásia e asfixiar a Rússia através de bases militares, da chamada C4ISR (acrônimo inglês de “Comando, Controle, Comunicações, Informática, Inteligência, Vigilância e Reconhecimento”), e de usar a bandeira da democracia e dos direitos humanos. Dificultar o acesso dos russos aos mares é o centro desta política. Com a guerra contra a Síria, Washington o que pretende é justamente desalojar a Rússia dos portos sírios e pôr todo o levante mediterrânico sob a esfera da NATO.

A armadilha que Obama estendeu a Putin no caso da Líbia fez com que o líder russo desse uma viragem radical nas suas relações com os EUA. Pois, o que ia ser uma operação limitada de exclusão aérea, converteu-se num bombardeamento do país, no brutal assassinato de Kadhafi e no saque da sua ingente fortuna em bancos ocidentais, ficando assim com os seus amplos campos de gás e petróleo.

Começa agora uma verdadeira Guerra Fria. Na batalha – ainda que discreta -, contra a Otan e os EUA, Putin serve-se dos BRICS (que golpeiam duramente o dólar com o seu cabaz de moedas diferentes), mas também com uma cooperação com a China (sem precedentes desde os tempos de Mao e Stálin), através da Organização de Cooperação de Xangai (OCS). Juntos exigiram a retirada das forças armadas dos EUA da Ásia Central, pelo que a potência ocidental não teve outro remédio senão pôr a data de 2014 para a sua saída forçada do Afeganistão.

Depois de pôr a sua marca na crise síria, Putin pensa atalhar o conflito nuclear do Irã, o seu poderoso vizinho do sul.

A superpotência energética vai desmontando o “Novo Conceito Estratégico da Otan” traçado em 2010 na cimeira da Aliança em Lisboa, que situava como objetivos domesticar a Rússia, com o fim de conter o Irão e debilitar a China. Tanto os BRICS como a OCS, encabeçadas por Moscou e Pequim, oferecem estruturas alternativas à influência decadente dos Estados Unidos no mundo.

Será o fim da hibernação do urso, que unido ao dragão impedirão o voo da águia?

Artigo de Nazanin Armanian1, publicado em Publico.es a 15 de setembro de 2013 e disponível também em nazanin.es. Tradução para português de Carlos Santos


1 Nazanin Armanian é uma escritora iraniana, jornalista e professora na Universidade de Barcelona. Residente em Espanha desde 1983


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum