Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
03 de julho de 2019, 13h57

Putin suspende tratado nuclear; Estados Unidos preparam plano contra possível ataque russo

O Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário, estabelecido em 1987 entre Estados Unidos e União Soviética, previa a eliminação dos mísseis balísticos e de cruzeiro, nucleares ou convencionais

Putin e Trump (Foto: Kremlin.ru)

Foi publicado nesta quarta-feira (3), em Moscou, um decreto assinado pelo presidente Vladimir Putin, que suspense o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

O tratado suspenso foi estabelecido em 1987 pelos Estados Unidos e a então União Soviética, assinados pelos então presidentes Ronald Reagan e Mikhail Gorbachev (respectivamente), e previa a eliminação dos mísseis balísticos e de cruzeiro, nucleares ou convencionais, cujo alcance estivesse entre 500 e 5,5 mil km.

Putin justificou a medida dizendo que “a persistente relutância de determinados países em aceitar a multipolaridade do mundo resulta em tensões crescentes e mina a estabilidade estratégica e impede a cooperação”.

A resposta dos Estados Unidos foi a rápida elaboração de um plano de contingência, para a eventualidade de um ataque nuclear russo. Ao menos é o que confessou o chefe do Estado-Maior da Força Aérea dos EUA, general David Goldfein.

“A primeira reação chamar o comandante-chefe das forças conjuntas da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte) na Europa, general Tod Wolters, que me dirá o que precisa para se juntar às forças da OTAN, a fim de parar a atividade do inimigo e reduzir os seus objetivos”, descreveu Goldfein.

Segundo o site russo Sputnik News, os Estados Unidos e a OTAN instalaram sistemas de defesa antimísseis em países estratégicos como Romênia e Polônia, entre outros. Além disso, também há plataformas de lançamentos de aviões que podem reagir rapidamente.

O segundo passo do plano de contingência de Goldfein seria acionar o NORAD (sigla em inglês do Comando de Defesa Aeroespacial da América do Norte), um sistema de defesa contra mísseis balísticos intercontinentais. A terceira e última seria enviar um comando para os submarinos com armas nucleares.

Também segundo o Sputnik News, o Kremlin afirmou oficialmente que seu decreto “não é uma declaração de guerra”, e que “quem violou o acordo pela primeira vez foram os Estados Unidos”.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum