Fórum Educação
09 de março de 2020, 07h00

Queda nas bolsas internacionais deve levar dólar próximo à barreira dos R$ 5 no Brasil

Entenda como a nova crise do petróleo está derrubando as bolsas de valores em todo o mundo e deve aprofundar a desvalorização do real ante ao dólar

Paulo Guedes, ministro da Economia (Jefferson Rudy/Agência Senado)

A tensão gerada pela nova crise do petróleo, que derrubou em mais de 30% o preço do barril do petróleo – no maior tombo desde a Guerra do Golfo (1990 e 1991) – e está provocando um efeito dominó derrubando bolsas de valores em todo o mundo, deve influenciar diretamente na desvalorização do real, que pode chegar ainda mais próximo à barreira dos R$ 5 nesta segunda-feira (9) na abertura do pregão brasileiro.

Nesta segunda-feira (9), a queda de braço entre a Rússia e a Arábia Saudita, apoiada pelos Estados Unidos, na Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), somou-se à projeção de retação econômica em razão da epidemia de coronavírus e gerou pânico no mercado internacional.

As bolsas de valores europeias abriram com perdas de quase 12%. No início das operações, o índice London FTSE-100 perdeu 8,52%, o Frankfurt Dax 7,4%, o CAC-40 em Paris 5,71%, o Ibex-35 em Madri 6,7% e Oslo OBX 12%.

O índice de petróleo e gás da Europa caiu 7,3%, com os preços do petróleo em queda livre. Diante do quadro, o clima é tenso antes da abertura do pregão da Bolsa de Valores de São Paulo, que a partir desta segunda-feira passa a operar com uma hora a menos, às 17h, devido ao horário de verão nos EUA, que começou neste domingo (8).

Entenda a nova crise no petróleo
Na sexta-feira, em Viena, Áustria, a OPEP e a Rússia não chegaram a acordo quanto a mais cortes na produção de petróleo, para responder à queda no consumo global do combustível.

A Rússia, um dos principais aliados da OPEP, opôs-se a um corte de produção destinado a conter a queda nos preços do petróleo, afetados pela epidemia do novo coronavírus. A Arábia Saudita, que é apoiada pelos EUA, decidiu em retaliação cortar seu preço oficial de venda e estabelecer planos para um aumento dramático na produção de petróleo no próximo mês.

Com o anúncio, o preço do petróleo do tipo Brent chegou a recuar 31%, no maior tombo desde a Guerra do Golfo (1990 e 1991), na abertura dos negócios no mercado asiático.

Dólar
A tensão no mercado internacional deve aprofundar a fuga de capitais do Brasil, que nos dois primeiros meses de 2020 chegou a R$ 44,8 bilhões, superando o valor retirado em todo o ano de 2019, de R$ 44,5 bilhões, sem contar ofertas de ações (IPOs​ e follow.-ons).

O valor também superou a saída de dólares de todo o ano da crise de 2008, maior da série histórica da B3, quando foram sacados R$ 44,6 bilhões.

Desde o início do ano, o Real foi a moeda que mais se desvalorizou diante do dólar no mundo com a junção dos fatores externos, provocados principalmente pela epidemia do Coronavírus, e internos, gerados pelas declarações atabalhoadas de Paulo Guedes e Jair Bolsonaro, que flertam com a instauração de um novo AI-5 no país.

Em 2020, enquanto o real já caiu mais de 15% em relação ao dólar, outros países acumulam perdas menores na mesma comparação. A perda em relação a moeda dos EUA foi de 4,98% na moeda do México (peso mexicano), 9,40% da África do Sul (rand), e 12,75% da Turquia (lira turca), por exemplo.

Na última semana, durante encontro com empresários bolsonaristas na Fiesp que farão parte de um conselho para a reforma administrativa, o ministro da Economia, Paulo Guedes, admitiu que a instabilidade política está influenciando a alta do dólar, que leva o real a ser uma das moedas mais desvalorizadas do mundo em meio à turbulência gerada pela epidemia de Coronavírus.

“Vocês mesmos [em referência à imprensa] estavam noticiando aí, que está caos, o presidente não se entende com o Congresso, não vai ter as reformas. Toda hora vai ter uma bomba soltada, o sujeito tomado em dólar está nervoso, começa a procurar hedge [proteção], isso é absolutamente normal”, afirmou em conversa com jornalistas.

Indagado se o dólar poderia chegar aos R$ 5, Guedes respondeu que se ele fizer “besteira”, isso pode acontecer.

“Ué, se o presidente [da República] pedir para sair, se o presidente do Congresso pedir para sair, se todo o mundo pedir para sair…”, afirmou. “Eu estou dizendo que é um câmbio que flutua, se eu fizer muita besteira, ele pode ir para esse nível [R$ 5]. Se eu fizer muita coisa certa, ele pode descer”, acrescentou.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum