Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
10 de dezembro de 2019, 17h32

Quem é Greta Thunberg, chamada de “pirralha” por Bolsonaro

Foto: Instagram/ @gretathunberg

A ativista sueca Greta Thunberg trocou a sua bio do Twitter pela palavra “pirralha” em resposta a um comentário do presidente Jair Bolsonaro que a chamou assim, na manhã de hoje (10). O comentário veio durante uma resposta sobre a morte de dois indígenas de etnia Guajajara, que ocorreu sábado (7) no Maranhão. O episódio ressaltou a oposição de Bolsonaro à luta travada por Greta contra as mudanças climáticas.

Greta nasceu em Estocolmo no dia 3 de janeiro de 2003 e é, hoje, considerada uma das figuras mais importantes dos movimentos ambientalistas. Desde muito cedo a sueca começou a se interessar pelos movimentos contra as mudanças climáticas. Com 12 anos, tornou-se vegana e, a partir daí, seu engajamento apenas cresceu.

A jovem passou a aparecer nas notícias internacionais com o movimento “Sextas-feiras pelo futuro”, que iniciou em 2018, na sua cidade natal. Na tentativa de pressionar as lideranças políticas do seu país a cumprir com o Acordo de Paris, Greta passou a faltar à escola nas sextas e se manifestar com um cartaz na frente do parlamento sueco, ação que chamava de “Greve Escolar pelo Clima”. O movimento se espalhou internacionalmente e em maio de 2019, mais de um milhão de jovens de mais de cem países aderiram ao movimento da “Greve Mundial pelo Clima” e se juntaram a Greta nos protestos.

A repercussão em torno do nome de Greta foi ampliada com o seu discurso enfático na Cúpula do Clima da ONU, que ocorreu em Nova York, em setembro, e da qual o Brasil não participou por falta de interesse. O protagonismo da menina de 16 anos cresceu a partir desse momento, e ela se tornou uma figura de importância inquestionável na política ambientalista.

No Brasil, o reconhecimento veio com o aumento de ataques provenientes de figuras conservadoras. Ainda em setembro, Greta foi alvo de comentários machistas por parte do radialista Gustavo Negreiros, da rádio 96 FM, de Natal (RN). Ao criticá-la, ele sugeriu que a ativista era histérica e estaria precisando de sexo: “Ela está precisando de um homem, ou macho ou uma fêmea. Se ela não gosta de homem, que ela pegue uma mulher”. Já Rodrigo Constantino, da Jovem Pan, chamou a sueca de retardada e disse que ela estaria sendo manipulada por adultos. “Ela é uma menina e que ainda tem lá a síndrome do autismo, então não pode ser criticada”, afirmou. Greta foi diagnosticada com Síndrome de Asperger na infância, um dos transtornos do espectro do autismo ou condições do transtorno global do desenvolvimento, as quais são um espectro de condições neurológicas que se caracterizam por dificuldades na interação social e na comunicação uma condição que interfere na sua interação social e comunicação.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, também já fez comentários desrespeitosos em relação a Greta. Logo depois do discurso emocionado da menina na Cúpula do Clima, ele tuitou: “Ela parece uma jovem muito feliz, ansiosa por um futuro brilhante e maravilhoso. Tão bom ver!”, acompanhado de um vídeo do discurso. Greta também já foi alvo de informações falsas divulgadas por Eduardo Bolsonaro. O filho do presidente da república publicou uma montagem nas redes sociais que mostrava Greta comendo num restaurante cuja janela transparecia crianças passando fome no exterior.

Apesar das críticas e ataques por parte dos conservadores, Greta foi escolhida pela revista Times como uma das 100 personalidades mais importantes de 2019. Também recebeu o prêmio “Embaixador da Consciência”, da ONG Anistia Internacional.

Notícias relacionadas


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum