Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
22 de junho de 2018, 08h03

São José da Costa Rica, Coração Civil

Adversário do Brasil é exemplo para o mundo de utopia e boa administração no futebol

O adversário da seleção brasileira, desta sexta-feira (22), na Copa da Rússia, a Costa Rica, com apenas 4,8 milhões de habitantes, é um dos 22 países do mundo que não têm Forças Armadas. Na manhã de 1º de Dezembro de 1948, o Presidente José Figueres Ferrer declarava “oficialmente dissolvido o Exército Nacional, por considerar suficiente para a segurança do país a existência de um bom corpo de polícia. O Exército Regular da Costa Rica (…) entrega a chave deste quartel às escolas, para que seja convertido num centro cultural”.

Além disto, e talvez também por conta disto, consta ser o único país da América Latina incluído na lista das 22 democracias mais antigas do mundo. Por lá não há nem guerras civis e nem golpes de estado. A sua população tem uma expectativa de vida de 78 anos, com taxa de alfabetização de 96,3%. Por essas e outras, é conhecida como a Suíça da América Latina, por coincidência nosso adversário na primeira fase do mundial.

De acordo com o Happy Planet Index, a população da Costa Rica foi considerada a mais feliz do planeta. Já a revista Diplomat disse sobre o país que “parece algo tirado da lista de desejos da música Imagine de John Lennon”.

País virou canção de Milton Nascimento

O país, com os seus índices sociais invejáveis, virou mesmo sinônimo de bem estar. Milton Nascimento e Fernando Brant compuseram, no início dos anos oitenta, num momento em que a ditadura brasileira dava os seus últimos suspiros, uma espécie de ode à utopia chamada “Coração Civil”, onde o país é citado nominalmente:

Quero a utopia, quero tudo e mais
Quero a felicidade dos olhos de um pai
Quero a alegria, muita gente feliz
Quero que a justiça reine em meu País

Quero a liberdade, quero o vinho e o pão
Quero ser amizade, quero amor, prazer
Quero nossa cidade sempre ensolarada
Os meninos e o povo no poder, eu quero ver

São José da Costa Rica, coração civil
Me inspire no meu sonho de amor Brasil
Se o poeta é o que sonha o que vai ser real
Vou sonhar coisas boas que o homem faz
E esperar pelos frutos no quintal

Sem polícia, nem a milícia, nem feitiço, cadê poder?
Viva a preguiça, viva a malícia que só gente é que sabe ter
Assim dizendo a minha utopia
Eu vou levando a vida, eu vou viver bem melhor
Doido pra ver o meu sonho de gozo um dia se realizar

Meio ambiente e Futebol

Para além da questão política, a Costa Rica também investe no meio ambiente, e seu povo se orgulha muito disso, colaborando com o governo na preservação dos seus parques nacionais. Foi considerado, em 2012, o país com melhor desempenho ambiental da América e o quinto do mundo.

O futebol da Costa Rica, que encantou e surpreendeu o mundo na Copa do Brasil, em 2014, é também resultado desta nova maneira de enxergar a vida e a política dos costarriquenhos, sobretudo de Roberto Artavia, professor da Incae Business School, da Costa Rica, que elaborou o projeto: A Indústria do Futebol: Responsabilidade Social e Promoção de Valores”, com três pontos principais:

– Forjar uma estratégia e uma equipe baseada em valores e na força da imagem do time na comunidade;

– Capacitar os jogadores para fazer muito mais do que jogar futebol. Isto quer dizer que, desde a base, eles serão preparados para estudar e ter uma profissão, caso a carreira de jogador não dê certo. Se conseguirem firmar-se, devem entender perfeitamente qual é o papel deles na comunidade, no clube e na “indústria do futebol”;

– Alinhar os objetivos com os recursos existentes (financeiros, físicos, etc.).

Maioria feminina

O atual presidente da Costa Rica, Carlos Alvarado, tem 38 anos, é roqueiro e foi eleito por uma coalizão de centro esquerda. No final de abril, ele anunciou sua equipe de governo. O gabinete é composto por 14 mulheres e 11 homens, o que supera a meta de conseguir uma paridade de gênero e que pela primeira vez na história do país consolida uma maioria de mulheres.

A sua vice é Epsy Campbell, comunista e será a primeira mulher negra a exercer a vice-presidência em um país da América Latina. Ela também será a primeira ministra das Relações Exteriores do país.

Campbell é economista, ex-deputada, reconhecida política do país e ativista pela igualdade de gênero e defesa dos direitos humanos, especialmente pela não discriminação.

Um dos pontos centrais da eleição foi a defesa do casamento entre pessoas do mesmo sexo.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum