Global

Suécia, pela primeira vez na história, elege mulher para comandar governo – Por Vinicius Sartorato

A líder social-democrata Eva Magdalena Andersson terá o desafio de reconquistar a popularidade do seu partido até a próxima eleição, em setembro de 2022

Compartilhar

Após ter renunciado de forma relâmpago ao cargo de primeira-ministra na semana passada por rejeição de sua proposta de orçamento, a primeira mulher da história com a tarefa de comandar o governo da Suécia voltou a ser eleita nessa segunda-feira (29) para exercer a função.

Líder do Partido Social-Democrata dos Trabalhadores da Suécia (SSAP), Eva Magdalena Andersson, 54, era a atual Ministra da Economia. Eleita com uma margem pequena de votos (101 a favor; 75 abstenções; e 173 contrários), ela terá o desafio de comandar o país até a próxima eleição marcada para setembro de 2022.

Em um momento em que todos os países nórdicos são governados por partidos de centro-esquerda, Andersson terá a empreitada de recuperar os índices de popularidade de seu partido, um dos mais baixos das últimas décadas. Tradicionais na Europa do norte e ocidental, os partidos sociais-democratas buscam conciliar elementos de filosofias capitalistas e socialistas, com destaque para estruturas estatais fortes em políticas sociais, o chamado Estado de Bem-Estar Social.

Dos anos 30 aos 80, o SSAP atingiu em média mais de 40% dos votos, estando continuamente no governo. Desde 2014, o país vem sendo governado pelo partido, sob liderança do ex-metalúrgico e sindicalista Stefan Löfven.

Após perder o apoio do Partido de Esquerda por sua atuação durante a pandemia e a gestão dos preços dos aluguéis, Löfven (SSAP) sofreu um impeachment (2021) no Riksdag (parlamento) convocado pelo Partido dos Democratas Suecos (de extrema-direita), o Partido Moderado e o Partido dos Democratas-Cristãos.

Forçado a encontrar uma solução, o SSAP teve que recuperar o apoio do Partido da Esquerda (Vänsterpartiet) com outro status. Até então, o SSAP governava com o Partido de Centro, o Partido Verde e o Partido Liberal, que além da questão da pandemia, dos preços dos aluguéis, pressionam por uma reforma trabalhista.

Agora, Magdalena Andersson deve conduzir o chamado “governo de minoria”, pois apesar dos sociais-democratas terem vencido as últimas eleições e terem a maior bancada, governarão sozinhos. Com limitações para mudanças legislativas mais profundas e muito malabarismo para contar com o apoio de seus “aliados desconfiados”, que apesar de não votarem contra sua assunção, se abstiveram. A primeira mulher chefe de governo na Suécia assume uma tarefa de alto risco.

Nas últimas eleições, o chamado reino da social-democracia viu um crescimento exponencial da extrema-direita com um discurso muitas vezes racista devido a imigração massiva.

Este post foi modificado pela última vez em 29 nov 2021 - 23:24 23:24

Vinicius Sartorato

Vinicius Sartorato (@vinisartorato) é jornalista e sociólogo. Mestre em Políticas de Trabalho e Globalização pela Universidade de Kassel (Alemanha)

Por
Vinicius Sartorato

Última hora

  • Valerio Arcary

Por que marxistas devem defender as cotas raciais? – Por Valerio Arcary

Não é a luta contra o racismo que explica a raiva, exasperação e fúria dos…

20 jan 2022 - 23:20
  • Brasil

Damares e Queiroga visitam criança que teve parada cardíaca mesmo após relação com vacina ser descartada

Ministros parecem estar fazendo campanha antivacina, visto que especialistas já apontaram que parada cardíaca de…

20 jan 2022 - 22:50
  • Cultura

Apanhado do cinema 2021 – Por Cesar Castanha

Confira o que de melhor rolou nas telonas em 2021 no artigo do crítico Cesar…

20 jan 2022 - 22:10
  • Pop Notícias

BBB: Vyni revela que se formou com bolsa do Prouni e Haddad comemora

O ex-ministro Fernando Haddad compartilhou depoimento do participante do BBB; confira

20 jan 2022 - 22:08
  • Política

Vitória em 1º turno à vista: Lula tem a soma de todos os candidatos, diz nova pesquisa

Levantamento PoderData mostra que petista cresceu 2 pontos, enquanto Bolsonaro perdeu o mesmo percentual e…

20 jan 2022 - 21:44
  • Opinião

O homem está trabalhando: não para o povo, mas para se reeleger – Por Raphael Fagundes

Bolsonaro não quer trabalhar, ele quer apenas se reeleger. Aliás, para um político com mais…

20 jan 2022 - 21:40