O que o brasileiro pensa?
26 de junho de 2020, 11h24

Tortura é crime cometido todo dia no Brasil e precisa ser combatida, dizem especialistas

No Dia Internacional de Apoio às Vítimas de Tortura, Fórum ouviu pesquisadores que se dedicam ao tema e buscam fortalecer mecanismos de prevenção

A tortura é um crime que continua a ser cometido cotidianamente na sociedade brasileira e, muitas vezes, por agentes do Estado. Em 2020, surgem novas formas de violência, características sociais definem perseguições e há um perigoso processo de legitimação. A avaliação é de pesquisadores ouvidos pela Fórum para marcar este 26 de junho, Dia Internacional de Apoio às Vítimas de Tortura.

“Dias como esse nos lembram que a tortura é crime, que não deve ser banalizado nem legitimado. Nada justifica o seu cometimento. Não há presidente, conjuntura ou coisa que o valha que possa validar a prática”, avalia a socióloga Thais Lemos Duarte, pesquisadora do Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Ex-perita do Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura, ela também destaca que a importância de refletir que “a tortura não é algo restrito a um período abissal da nossa história”. “A prática é cotidiana. Várias marias, josés e joãos são torturados diariamente por serem vistos por alguns grupos como sujeitos a serem castigados por suas características sociais e econômicas”, completa Duarte.

Ludmila Ribeiro, professora assistente da UFMG, destaca que no debate público brasileiro se fala pouco dos efeitos da tortura e da violência policial do ponto de vista da tortura psicológica.

“Imagine a tortura de todos os dias acordar se perguntando se você será abordado pela polícia e injustamente acusado de um crime que não cometeu. Se será levado para a delegacia e submetido a tortura física para confessar esse delito. O risco de perder a sua vida em casa porque a polícia cotidianamente faz incursões na sua área de residência, atirando primeiro e perguntando depois. Este é o cotidiano dos jovens negros residentes em áreas de periferia”, diz Ribeiro, que também atua no Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública.

Já Gorete Marques, pesquisadora do Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo (USP), destaca a importância das audiências de custódia na prevenção da tortura. Implementadas em 2015 pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), as audiências de custódia têm como objetivo verificar a legalidade das prisões e, principalmente, identificar situações de violência e abuso pessoal.

“O CNJ tem uma série de orientações de como os juízes devem proceder nestes casos. No entanto, pesquisas mostram que nem todos eles seguem as orientações, o que fragiliza o dispositivo das audiências de custódia como mecanismo de prevenção à tortura”, alerta Marques. “É importante que não apenas os juízes, mas os defensores e promotores públicos estejam atentos aos relatos de violência policial”, completa.

A tortura também é especialmente praticada contra jovens infratores, ao arrepio de normas nacionais e internacionais, que exigem do Estado o dever de buscar a recuperação por meio de programas socioeducativos.

Para Fernanda Givisiez, que também atuou como perita do Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura, o sistema socioeducativo brasileiro reproduz as mazelas do sistema prisional do país. No entanto, a situação é ainda mais grave porque se tratam de adolescentes entre 12 e 18 anos, que são pessoas ainda em formação.

“Apesar das normativas nacionais e internacionais garantirem que a esses adolescentes sejam assegurados os seus direitos sociais e individuais, e práticas pedagógicas em detrimento daquelas meramente sancionatórias e disciplinadoras, o que a gente encontra no país é uma realidade completamente diferente”, avalia Givisiez.

A pesquisadora considera que prevalece o viés da segurança em detrimento da proposta socioeducativa, o que faz “vigorar a lógica do encarceramento, da punição e a ociosidade desses adolescentes”.

“São adolescentes pretos, pobres e periféricos em unidades superlotadas e expostos a condições degradantes. Ainda, de forma mais grave, há a ocorrência de prática sistemática de tortura por meio de castigos corporais dentro dessas unidades. Meninos e meninas são submetidos a tortura física e psicológica”, afirma Givisiez.

“Sabemos que os corpos negros são os alvos da tortura que a gente vê diariamente nos presídios, nos camburões, nas ruas, nos supermercados. Estamos em 2020 e vemos jovens negros torturados por um chocolate”, diz Sheila de Carvalho, advogada da Coalisão Negra por Direitos e Coordenadora de Violência Institucional da CDH OAB-SP e Bellow OHCHR Nações Unidas.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum

#tags