Fórum Educação
07 de abril de 2020, 07h24

Trump assina decreto para dar aos EUA direito de exploração de recursos da Lua, como água e minérios

"A exploração bem-sucedida a longo prazo e a descoberta científica da Lua, Marte e outros corpos celestes exigirão parceria com entidades comerciais para recuperar e usar recursos, incluindo água e certos minerais", diz o decreto de Trump, rechaçado por Moscou

Missão da Nasa à Lua em 1969 (Nasa)

Em meio à pandemia do coronavírus, que já contaminou mais de 360 mil estadunidenses, o presidente dos EUA, Donald Trump, envolve-se em mais uma polêmica após publicar nesta segunda-feira (6) um decreto que dá ao país o direito à exploração dos recursos da lua, contrariando o acordo feito sobre o satélite natural do planeta Terra.

“Os americanos devem ter o direito de se envolver em exploração comercial, recuperação e uso de recursos no espaço sideral, de acordo com a lei aplicável. O espaço exterior é um domínio legal e fisicamente único da atividade humana, e os Estados Unidos não o veem como um bem comum global. Consequentemente, será política dos Estados Unidos incentivar o apoio internacional à recuperação pública e privada e ao uso de recursos no espaço sideral, de acordo com a lei aplicável”, diz o decreto assinado por Trump, que foi rechaçado por Moscou.

No decreto, Trump minimiza o chamado Acordo da Lua, firmado em 1979 e atualmente tem a adesão de 18 países, que regulamenta a exploração da lua com um termo de comprometimento de que os recursos extraídos no satélite devem ser compartilhados com todas as nações.

“A incerteza quanto ao direito de recuperar e usar recursos espaciais, incluindo a extensão do direito à recuperação comercial e ao uso de recursos lunares, no entanto, desencorajou algumas entidades comerciais de participarem desta empreitada. Questões sobre se o Acordo de 1979 que rege as atividades dos Estados na Lua e outros organismos celestes (o “Acordo da Lua”) estabelece a estrutura legal para os Estados-nação em relação à recuperação e uso dos recursos espaciais aprofundou essa incerteza, principalmente porque os Estados Unidos não assinaram nem ratificaram o Acordo da Lua”, diz o decreto.

O texto de Trump prevê que os Estados Unidos devem “liderar o retorno de seres humanos à Lua por muito tempo. A exploração e utilização de longo prazo, seguidas de missões humanas em Marte e outros destinos”.

“A exploração bem-sucedida a longo prazo e a descoberta científica da Lua, Marte e outros corpos celestes exigirão parceria com entidades comerciais para recuperar e usar recursos, incluindo água e certos minerais, no espaço sideral”.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum