O que o brasileiro pensa?
17 de junho de 2020, 21h03

Trump implorou ao presidente da China para ajudá-lo em sua reeleição, revela Bolton

O ex-conselho da Casa Branca, John Bolton, acaba de lançar um livro onde revela vários segredos da política exterior dos EUA; obra caiu como uma bomba sobre a administração Trump

Xi Jinping e Donald Trump (foto: Xinhua)

Donald Trump pediu ao presidente chinês Xi Jinping para comprar produtos agrícolas dos Estados Unidos, pois dessa forma o ajudaria a conquistar votos nos estados com forte indústria agrícola nas eleições de 2020, afirma John Bolton no livro The Room Where It Happened: A White House Memoir (A sala onde aconteceu: memórias da Casa Branca).

Bolton escreve que Trump chegou a “implorar a Xi para ajudá-lo a garantir que ele vencesse” as próximas eleições. “Ele enfatizou a importância dos agricultores e aumentar as compras chinesas de soja e trigo seria importante para influenciar o resultado eleitoral”, diz Bolton, em trecho da obra publicado no The Wall Street Journal.

John Bolton foi conselheiro especial da Presidência dos EUA em 2018 e 2019, e acompanhou o presidente Trump em diversas reuniões. “As conversas de Trump com Xi refletiram não apenas a incoerência em sua política comercial, mas também a confusão na mente de Trump em relação a seus próprios interesses políticos e os interesses nacionais dos EUA”, escreve Bolton.

O ex-conselheiro também faz críticas na área de segurança: “Trump misturou o pessoal e o nacional não apenas em questões comerciais, mas em todo o campo da segurança nacional”.

O livro tem relatos de vários encontros e eventos internos da Presidência. E ainda traz novos detalhes sobre o que aconteceu na Casa Branca durante os esforços de Trump para pressionar a Ucrânia a entregar informações sobre o ex-vice-presidente dos EUA, Joe Biden, rival de Trump em 2020. Esse foi o tema que levou Trump a um processo de impeachment no Congresso, mas que foi derrubado pelo Senado.

Bolton: Trump acha que Guaidó é fraco

O ex-conselheiro da Casa Branca conta também que foi ele quem levou a proposta para Donald Trump passar a reconhecer o deputado Juan Guaidó, então presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, como presidente interino do país.

Embora Trump tenha aprovado a proposta, segundo Bolton, dentro de 30 horas o presidente dos EUA já estava preocupado com o fato de Guaidó parecer fraco como uma “criança” se comparado ao presidente Nicolás Maduro, considerado “resistente” por Trump. O mandatário estunidense estava considerando mudar de rumo na política para a Venezuela.

Bolton descreveu Trump como inconsistente e preocupado quando decidiu apoiar Guaidó, em janeiro de 2019. Depois disso, Trump teria dito que invadir a Venezuela seria “legal” (cool, em inglês) e que a nação sul-americana era “realmente parte dos Estados Unidos”.

Ainda sobre Guaidó, Bolton conta que, em uma teleconferência de maio de 2019, entre Trump e o presidente da Rússia, Vladimir Putin, o líder russo teria comparado Guaidó à candidata democrata dos EUA, Hillary Clinton. Para Bolton, foi “uma brilhante exposição da propaganda política ao estilo soviético”. Bolton escreve que os argumentos de Putin “convenceram amplamente Trump”.

O presidente Donald Trump entrou com um processo na Justiça, esta semana, para impedir o lançamento do livro. Apesar da briga judicial, o lançamento está previsto para o próximo dia 23 de junho e a obra estará disponível no site de vendas Amazon pelo valor de U$ 3,99 (R$ 21).

Para promover a publicação, a editora enviou trechos aos meios de comunicação e Bolton deu várias entrevistas sobre o tema. As revelações foram publicadas em todos os grandes meios dos Estados Unidos nessa quarta-feira (17).

Saída de Bolton do governo

A Casa Branca demitiu John Bolton em setembro de 2019 devido a diferenças que tinha com o presidente na visão sobre a política externa dos EUA. Entre as principais discordâncias estava justamente a Venezuela.
“Discordo de John Bolton nas suas atitudes em relação à Venezuela. Acho que ele passou dos limites e eu provei estar certo”, disse Trump a repórteres na Casa Branca após o anúncio da demissão. No entanto, Bolton insiste que foi ele quem pediu demissão.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum