sábado, 24 out 2020
Publicidade

UE teria dado imunidade à empresa AstraZeneca por possíveis efeitos secundários da vacina de Oxford

Farmacêutica britânica teria assinado um acordo com a autoridade europeia que permite à empresa se responsabilizar apenas parcialmente em casos de possíveis danos colaterais

O canal russo RT publicou matéria nesta sexta-feira (25) afirmando que a farmacêutica britânica AstraZeneca teria assinado um acordo com a União Europeia, na qual a entidade continental outorgou à empresa a garantia de imunidade em caso de processos judiciais por possíveis efeitos secundários da vacina contra o coronavírus que está sendo desenvolvido pela Universidade de Oxford.

Pelo acordo, a AstraZeneca ficariam livres de qualquer tipo de responsabilidade penal com respeito aos efeitos da vacina. Ou seja, caso esses problemas apareçam, nenhum cientista ou diretor da empresa sofrerá com o risco de ser condenado à prisão.

Além disso, mesmo no caso de possíveis multas, ela também só precisaria lidar com metade dos valores – a outra metade seria paga pela própria União Europeia.

A informação faz aumentar ainda mais as suspeitas com relação à vacina de Oxford, que já registrou ao menos 2 pacientes com efeitos secundários após tomar a vacina como voluntários.

Além da blindagem legal, o acordo também prevê que a AstraZeneca receberá da União Europeia 2,5 euros (cerca de 16 reais) por cada dose da vacina britânica.

A notícia gera polêmica porque a imprensa britânica já informou de ao menos dois casos de voluntários que tiveram problemas neurológicos que poderiam ser resultado de efeitos secundários da vacina de Oxford. Não há notícias, no entanto, que algum desses dois casos tenha resultado em morte, apenas em hospitalização.

Victor Farinelli
Victor Farinelli
Jornalista formado pela Universidade Católica de Santos, há 15 anos é correspondente na Argentina (2004 e 2005) e no Chile (desde 2006).