Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
11 de junho de 2019, 08h53

Vaza Jato: New York Times e The Guardian apontam parcialidade de Moro e prisão de Lula para eleger Bolsonaro

Estadunidense The New York Times diz que prisão de Lula "abriu caminho para a eleição de Jair Bolsonaro". Já o britânico The Guardian diz que seu substituto, Haddad, foi superado pelo candidato de extrema-direita – "que então nomeou Moro como ministro da Justiça”

Reprodução da matéria do The Guardian sobre o caso Vaza Jato.

A mídia internacional continua reproduzindo o escândalo que tomou conta do noticiário brasileiro desde domingo, após a revelação do portal The Intercept sobre a relação colaboração do então juiz Sérgio Moro e os procuradores da Operação Lava Jato para promover resultados político-eleitorais no Brasil através da atuação da Justiça.

Dois grandes jornais de alcance global que abordaram o tema nesta segunda-feira (10) foram o estadunidense The New York Times e o britânico The Guardian.

A reportagem dos correspondentes Ernesto Londoño e Letícia Casado para o The New York Times diz, em sua manchete, que as descobertas de Glenn Greenwald e sua equipe “levantam questionamentos sobre a Justiça brasileira”. Na matéria, o jornal fala que “o juiz mais badalado do país, que liderou os casos de corrupção mais comentados nos últimos tempos, foi flagrado enquanto aconselhava promotores federais sobre a estratégia que eles deveriam usar”.

Mais adiante, o texto lembra que “a prisão de Da Silva (Lula) abriu caminho para a eleição de Jair Bolsonaro, um político de extrema-direita que, em seguida, nomeou Moro como seu ministro da Justiça, e também ofereceu a ele uma futura vaga à Suprema Corte do país”.

Por sua parte, o The Guardian publica matéria assinada pelo correspondente Dom Phillips, cujo subtítulo diz que “as conversas de celular vazadas e publicadas pelo The Intercept sugerem que Sérgio Moro, agora ministro da Justiça, manipulou o caso contra o ex-presidente”.

Em seguida, o diário conta que “os promotores também discutiram estratégias para impedir as tentativas de um jornal de entrevistar Lula durante a campanha eleitoral do ano passado (…) pesquisas de opinião indicaram que Lula provavelmente venceria a eleição presidencial de 2018 até ser preso e forçado a sair da disputa. Seu substituto de última hora, Fernando Haddad, foi superado amplamente pelo candidato de extrema-direita Jair Bolsonaro – que então nomeou Moro como ministro da Justiça”.

A matéria do periódico britânico traz uma entrevista com Celso Melo, professor de ciência política da Escola de Administração de Empresas de São Paulo (Insper), que comenta o ilícito na relação entre o juiz e os procuradores: “é como impedir o outro time de jogar, é como se eles decidissem jogar a bola sozinhos (…) um princípio básico da lei é que aqueles que acusam não julgam”.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum