VÍDEO: Homem Paraplégico é arrancado do carro pelos cabelos por policiais brancos nos EUA

Clifford Owensby foi acusado de uso de drogas. Paraplégico, ele foi arrastado por policiais após dizer que não podia sair do carro por não ter capacidade de mexer as pernas

Mais um caso de racismo e violência policial causou revolta nos EUA. Imagens divulgadas nesta segunda-feira (11) mostram dois policiais brancos arrancando pelos cabelos um homem negro paraplégico durante abordagem que aconteceu no final de setembro.

Notícias relacionadas

Segundo informações da CNN dos EUA, Clifford Owensby registrou queixa contra os policiais na Associação Nacional para o Progresso das Pessoas Negras.

Na abordagem, os policiais pedem para Owensby descer do carro por suspeita de uso de drogas. O homem responde que é tetraplégico e não pode sair.

Diante da negativa, os policiais insistiram e disseram que o “ajudariam” a sair do veículos.

Minutos depois, os policiais puxam Owensby pelos cabelos, depois que ele pediu para falar com um “camisa branca”, gíria usada para identiciar superiores hierárquicos dos policiais.

“O negócio é o seguinte, vou puxar você para fora e depois chamar uma camisa branca”, responde um policial.

A prefeita de Dayton, Nan Whaley, descreveu a filmagem como “muito preocupante”.

Grupos de direitos civis dizem que também estão investigando o incidente, segundo a BBC.

Publicidade

“Puxar este homem para fora do carro, pelos cabelos —um paraplégico— é totalmente inaceitável, desumano e coloca uma luz negativa em nossa grande cidade de Dayton, Ohio”, disse Derrick Foward, da Associação Nacional para o Avanço de Pessoas de Cor, ao jornal The Washington Post.

Assista à trecho do vídeo legendado pela assessoria do deputado Alencar Santana Braga (PT-SP).

Publicidade
Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR