VÍDEO: População queima prédios e promove saques após assassinato de homem negro pela polícia

Um homem morreu durante os protestos pela morte de George Floyd, em Minneapolis, nos EUA

Após o assassinato de um homem negro por policiais em Minneapolis, no Estados Unidos, a cidade registrou protestos, saques e incêndios nesta quarta-feira (27). Trata-se da segunda noite seguida de manifestações pela morte de Goerge Floyd, de 46 anos.

Policiais têm repreendido os atos com tiros de borracha, gás lacrimogênio e bombas de efeito moral. De acordo com o jornal The New York Times, cinco pessoas foram baleadas e uma morreu depois que o dono de uma loja abriu fogo contra um grupo que, de acordo com ele, estaria tentando saquear seu comércio.

Um vídeo compartilhado pelo repórter norte-americano Max Nesterak mostra diversas pessoas saqueando um supermercado Target da cidade durante os protestos.

O prefeito de Minneapolis, Jacob Frey, pediu ajuda da Guarda Nacional do estado para lidar com os protestos. “Por favor, Minneapolis. Não podemos deixar que tragédias gerem mais tragédias. Por favor, ajude-nos a manter a paz”, disse.

O vídeo que mostra a morte do homem negro viralizou nas redes e gerou revolta em diversos países, dada a violência do ato. Floyd foi algemado e deitado de bruços no chão, enquanto um agente pressionava o joelho contra seu pescoço.

Mesmo após pedidos de ajuda e declarar que não estava conseguindo respirar, Floyd continuou sendo asfixiado pelo policial. Pedestres que testemunharam a tortura pediram para que o agente parasse, mas o ato continuou e os demais policiais impediram a aproximação de outras pessoas do local.

A família de George Floyd denunciou o uso “excessivo e desumano” de força policial e acusou os agentes de racismo. Nesta terça, a população de Minneapolis depositou flores no local da morte e manifestantes levaram cartazes com os dizeres “parem de matar negros”.

Distúrbios em Los Angeles

Publicidade

Em 1991, Los Angeles registrou seis dias de protestos após a morte violenta de Rodney King, de 25 anos. Ao todo, 55 pessoas morreram e cerca de duas mil ficaram feridas durante as manifestações.

O homem negro foi agredido com chutes, golpes de cassetete e armas de choque elétrico por policiais após dirigir embriagado na cidade. Os relatórios médicos detalharam que King sofreu nove ferimentos na cabeça, uma fratura no tornozelo, lesões por todo o corpo e um olho roxo, além de possíveis danos na visão e no cérebro.

Publicidade

Vídeo das agressões também viralizou no mundo, o que alimentou os protestos na cidade contra a violência policial. Após julgamento do caso em abril de 1992, os agentes responsáveis pelas agressões foram absolvidos da maioria das acusações.

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR