VÍDEO: “Seguimos na política, a luta segue”, diz Evo Morales ao chegar em solo mexicano

Enquanto movimentos sociais tomam La Paz contra o golpe, Morales exalta a mobilização popular

Publicidade

Evo Morales, ex-presidente da Bolívia vítima de um golpe de Estado, deu uma forte declaração logo ao chegar em solo mexicano após cerca de 15 horas de uma viagem conturbada até o país que lhe concedeu asilo político. Morales afirmou que não vai abandonar a luta de libertação dos povos e exaltou a mobilização popular.

“Quero dizer a todos os movimentos sociais e militantes que são parte do processo de libertação, sendo operários, campesinos, trabalhadores, servidores, ministros, ex-ministros, indígenas […], chegamos aqui salvos graças ao México. Mas também quero dizer-lhes, irmãos e irmãs, que, enquanto estivermos vivo, seguimos na política. A luta segue”, disse em coletiva de imprensa após sair do avião.

Morales ainda afirmou que o golpe não vai fazê-lo mudar ideologicamente e que não vai deixar de trabalhar pelos setores mais humildes e enxerga como “uma lição a mais para aprender e fortalecer a luta dos povos na Bolívia de no mundo”. “Estamos certos que os povos do mundo têm todo o direito de libertar-se. Pensei que tínhamos acabado com a opressão, com a discriminação, com a humilhação, mas surgem outros grupos que não respeitam a vida, nem a Pátria”, declarou.

A fala do ex-presidente vem em meio a uma forte mobilização popular que toma as ruas de La Paz contra a consumação do golpe de Estado promovido pela extrema direita do país e apoiado pela Polícia Nacional e pelas Forças Armadas. Milhares de indígenas, camponeses e operários marcharam até a capital reivindicando as conquistas sociais dos últimos anos.

Assista à declaração:

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR