Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
12 de fevereiro de 2020, 12h59

Vídeo: venezuelanos protestam contra retorno de Juan Guaidó ao país

O líder opositor teve que sair do aeroporto escoltado por um grupo pequeno de apoiadores, em meio a centenas de manifestantes que o chamavam “traidor” e “vende-pátria”, entre outras ofensas.

Trabalhadora venezuelana protesta contra Juan Guaidó, no Aeroporto de Caracas (foto: reprodução YouTube)

Protestos e muita confusão no Aeroporto Internacional Simón Bolíviar, em Caracas, marcaram o retorno do líder opositor venezuelano Juan Guaidó, autoproclamado presidente do seu país, após uma série de visitas realizadas por ele a países da Europa e aos Estados Unidos.

Guaidó foi recebido por um grupo de deputados do seu partido e embaixadores de países europeus, além de sua esposa, Fabiana Rosales, e uma dezenas de apoiadores anônimos.

No entanto, foram muitos mais os que o esperavam para manifestar sua indignação pelo papel desempenhado pelo opositor nas últimas semanas. Centenas de pessoas presentes no aeroporto gritaram a ele coisas como “traidor”, “assassino” e “vende-pátria”. Os apoiadores de Guaidó presentes do aeroporto tiveram que escoltá-lo até o carro que o levou à sua casa.

Entre os grupos que protestaram contra o retorno de Guaidó estavam os trabalhadores da linha aérea estatal venezuelana Conviasa, devido às sanções que a empresa recebeu na semana passada do governo dos Estados Unidos, liderado por Donald Trump, maior aliado internacional de Guaidó. Devido à medida estadunidense, um grande número de trabalhadores poderia perder seus empregos.

Em um dos muitos vídeos difundidos do retorno de Guaidó à Venezuela, se pode ver uma funcionária da Conviasa que vai até o líder opositor e diz a ele: “você é um traidor da pátria”. O opositor tenta intimidá-la, mas se detém devido aos gritos dos demais manifestantes.

A turnê internacional de Guaidó foi financiada por entidades estadunidenses como a USAid (sigla em inglês da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional) e a NED (sigla em inglês da Fundação Nacional para a Democracia). Começou na Colômbia, onde o opositor se encontrou com o presidente Iván Duque, e o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, passou por diversos países da Europa, e terminou na semana passada, com um encontro com Donald Trump, no salão oval da Casa Branca.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum