Imprensa livre e independente
29 de maio de 2019, 07h39

Governador do Amazonas diz que não vai indenizar famílias de mortos em presídios

Wilson Lima disse ainda que não vai renovar contrato com a empresa Umanizzare, terceirizada responsável pela gestão de seis presídios no estado, onde ocorreram as 55 mortes nos últimos dias

Wilson Lima, governador do Amazonas (Reprodução)
O governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), disse que não tem dinheiro e, por isso, não indenizará os familiares dos 55 detentos assassinados dentro de unidades prisionais do estado entre domingo (26) e segunda-feira (27). “Estamos endividados. O governo não tem dinheiro para fazer isso”, justificou, em entrevista coletiva nesta terça-feira (28), em Manaus. Lima disse ainda que não vai renovar contrato com a empresa Umanizzare, terceirizada responsável pela gestão de seis presídios no estado, onde ocorreram as mortes. Neste sábado (1º) acaba com o contrato de gestão do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj). A empresa já anunciou que vai...

O governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), disse que não tem dinheiro e, por isso, não indenizará os familiares dos 55 detentos assassinados dentro de unidades prisionais do estado entre domingo (26) e segunda-feira (27).

“Estamos endividados. O governo não tem dinheiro para fazer isso”, justificou, em entrevista coletiva nesta terça-feira (28), em Manaus.

Lima disse ainda que não vai renovar contrato com a empresa Umanizzare, terceirizada responsável pela gestão de seis presídios no estado, onde ocorreram as mortes.

Neste sábado (1º) acaba com o contrato de gestão do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj). A empresa já anunciou que vai concorrer em nova licitação para se manter na administração das cadeias.

Veja também:  Milton Leite, do SporTV, defende Lula Livre e regulação dos meios de comunicação

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum