Imprensa livre e independente
17 de maio de 2019, 06h00

Gravidade, a voz feminina na poesia de Ellen Maria

Este Gravidade, de Ellenn Maria, que apresento, é o livro de uma mulher adulta, independente, no viço da juventude e auge da fala

Foto: Divulgação
Quando Seu Honorato, o de Balzac, caboclo escritor lá daquela Paris do dezenove, escreveu La femme de trente ans, contando as coisas da bela Julie, não podia imaginar que o século XXI veria a mulher tão bela, tão triste e oprimida quanto, mas dona de uma voz. Não vai muito longe, no cancioneiro popular, trágico e machista ao menos até Vinicius, Miltinho já cantava na década de 60 do XX. Você, mulher Que já viveu, que já sofreu Não minta Um triste adeus nos olhos seus A gente vê, Mulher de Trinta Viria 68, o movimento feminista ganharia força nos...

Quando Seu Honorato, o de Balzac, caboclo escritor lá daquela Paris do dezenove, escreveu La femme de trente ans, contando as coisas da bela Julie, não podia imaginar que o século XXI veria a mulher tão bela, tão triste e oprimida quanto, mas dona de uma voz. Não vai muito longe, no cancioneiro popular, trágico e machista ao menos até Vinicius, Miltinho já cantava na década de 60 do XX.

Você, mulher
Que já viveu, que já sofreu
Não minta
Um triste adeus nos olhos seus
A gente vê, Mulher de Trinta

Viria 68, o movimento feminista ganharia força nos anos posteriores à ditadura e se veria numa encruzilhada nos dias de hoje, de fascismo e brutalidade, em que à mulher é relegado um salário, um valor inferior. Viria o Mulherio das Letras, viriam Regina Dalcastagné, Maria Valéria Resende e Djamila Ribeiro, e tantas outras, a imprimir a voz feminina na Literatura.

Foto: Divulgação

Este Gravidade, de Ellen Maria, que apresento, é o livro de uma mulher adulta, independente, no viço da juventude e auge da fala. Explora as fases da vida de uma mulher contemporânea, a maternidade latente, que ainda não se consumou, a reminiscência da infância ainda conservada no corpo e a ciência de que já se vai fazer como a mãe, ou a avó. E geracional e feminino. Li-o de uma assentada, e explico porque tanto me toca: minha netinha fez um ano, minha filha parece a autora e está hoje, que já é mãe, muito próxima da minha própria mãe, que fenece aqui no apartamento ao lado, em roupas de algodão, e vai viver pra sempre. Ao comunicar minha impressão à autora ela devolveu que, de fato, a proposta da obra é mesmo pensar nessas relações femininas e familiares.

Veja também:  Editor do Intercept dá invertida em Deltan Dallagnol: A notícia é verdadeira, falsa é essa nota do MPF

“… que bom q gostou… e depois me diga o que a Raquel achou…”

Eu ainda não disse, mas creio que ela se viu ali. Ou não, eu que a vi. Não sou, obviamente, um crítico literário, como foi meu saudoso amigo Alfredo Monte. Comecei esta coluneta aqui pra falar dos livros que gosto e dos autores que gosto, sou verdadeiro, mas crítico jamais, as impressões que trago, embora técnicas, são afetivas. Ellen é minha amiga, choramos nos ombros mútuos mútuas desventuras. É uma mulher na plenitude, com sensibilidade e inteligência, e poeta que vem num crescendo desde seu primeiro título, Chacaritas e Gambuzinos, pela mesma nossa editora, Patuá.

As mulheres de hoje iniciam a vida intelectual com mais desenvoltura que no dezenove, aos trinta são já capazes de elaborar uma reflexão madura sobre as gerações, sobre o poder que só elas têm de gerar a vida, de se adaptar à brutalidade opressiva do mundo masculino, tão em voga nestes tempos ditatoriais, em que as minorias perdem o protagonismo e a voz. São elas, e os jovens, quem nos podem salvar desse atoleiro.

Veja também:  Gilmar Mendes propõe liberdade imediata para Lula e investigação sobre denúncias do Vaza Jato

 

diagnosis

 

qual flor desperta cedo

e sem sair do lugar

perambula por aí

respirando a curiosidade

dos que velhinhos veem

tudo como a primeira

e a última vez

depois segue

recordando a vida

crianças que se escondem sob a saia

da mãe e do pai

sentem medo

mas saltam no pescoço agarrando

sonhos recolhendo

trapos e roupas pedaços

de traumas

estendidos no varal

 

caminha pela sala o campo verde

lagos

busca o sol

dá a volta ao mundo sem sair do eixo

girassol

depois esquece

vegeta vendo televisão

repete qualquer coisa sobre o artista da novela

se alimenta de luz

pergunta sobre o almoço

e come pouco

sofre arrancando os lábios

toma os remédios

morde com medo de morrer

sofre mastigando os dentes

sofre devorando o medo

e às vezes vomita e briga

com a morte

murcha

se banha vagarosamente

acariciando os infinitos lábios que seu corpo enrugado

construiu

escala montanhas com os dedos

a pele fina das pétalas

se perfuma

e cheira as costas da mão alheia

Veja também:  Depois de Villa e Sheherazade, Paulo Henrique Amorim é a nova vítima de governo Bolsonaro

que lhe ajuda e lhe beija

veste algodão e agradece a noite

é hora das lágrimas escorrerem pela terra

hidratando os corações-sementes

dorme e sonha com os netos

imaginários

e algum fantasma

Parece que vai viver para sempre

e vai

 

Serviço: Gravidade, poesia, Ellen Maria, Editora Patuá, preço R$.38,00

 

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum