Imprensa livre e independente
20 de fevereiro de 2013, 12h00

Guarani Kaiowá retomam fazenda onde jovem indígena foi assassinado

Denilson Quevedo Barbosa, de 15 anos, foi encontrado com três tiros na cabeça numa fazenda vizinha à aldeia Tey'ikue; cerca de 1.500 indígenas ocupam a área

Denilson Quevedo Barbosa, de 15 anos, foi encontrado com três tiros na cabeça numa fazenda vizinha à aldeia Tey’ikue; cerca de 1.500 indígenas ocupam a área Por José Francisco Neto, do Brasil de Fato Jovem indígena foi encontrado com três tiros na cabeça em fazenda vizinha a aldeia (Foto: Reprodução/Cimi) Indígenas Guarani Kaiowá não param de chegar à fazenda Sardinha, no município de Caarapó (MS). Cerca de 1.500 pessoas ocupam, desde a tarde desta segunda-feira (18), o local onde ocorreu o assassinato do jovem Denilson Quevedo Barbosa, de 15 anos, morador da aldeia Tey’ikue. O garoto, que tinha saído para pescar...

Denilson Quevedo Barbosa, de 15 anos, foi encontrado com três tiros na cabeça numa fazenda vizinha à aldeia Tey’ikue; cerca de 1.500 indígenas ocupam a área

Por José Francisco Neto, do Brasil de Fato

Jovem indígena foi encontrado com três tiros na cabeça em fazenda vizinha a aldeia (Foto: Reprodução/Cimi)

Indígenas Guarani Kaiowá não param de chegar à fazenda Sardinha, no município de Caarapó (MS). Cerca de 1.500 pessoas ocupam, desde a tarde desta segunda-feira (18), o local onde ocorreu o assassinato do jovem Denilson Quevedo Barbosa, de 15 anos, morador da aldeia Tey’ikue. O garoto, que tinha saído para pescar junto com mais dois amigos, foi encontrado no domingo (17) com três tiros na cabeça na fazenda.

Segundo relato dos sobreviventes, ao se aproximarem de um criadouro de peixes – cuja nascente fica dentro da terra indígena – os jovens foram abordados por três pistoleiros. Eles identificam os três indivíduos como ‘funcionários’ de Orlandino Carneiro Gonçalves, arrendatário da fazenda, e que o crime foi cometido pelo filho do fazendeiro e seus jagunços.

Veja também:  Cônsul-honorário na Austrália é exonerado por criticar Sérgio Moro

Ainda de acordo com as testemunhas, os indígenas correram dos homens armados, mas Denilson acabou apreendido pelos pistoleiros e assassinado. Além do tiro confirmado pela perícia criminal da Polícia Civil de Caarapó, o jovem Kaiowá levou mais um tiro na cabeça e outro no pescoço. Apesar de ter iniciado as investigações, a força de segurança não quis dar mais detalhes sobre o caso.

Para denunciar a ação violenta, os indígenas passaram a madrugada na fazenda onde o menino foi assassinado. Porém, o clima foi de tensão. “Houve muitos tiros. A gente esperou a Força Nacional, a Polícia Federal (PF), mas não chegou ninguém até agora. Os pistoleiros cercaram a fazenda”, relata ao Brasil de Fato Valdelice Verón, liderança indígena e filha do cacique Marcos Verón, assassinado em janeiro de 2003.

Causas e consequências

Desde a criação do território indígena pelo Serviço de Proteção ao Índio (SPI), em 1924, os indígenas precisam pescar fora da área reservada, onde só há nascentes de córregos e não há peixes, sofrendo pressões e ataques de fazendeiros.

Veja também:  Leyen é a aposta de defensores da União Europeia para bloco seguir vivo

As reservas são áreas de confinamento – e depois da Constituição de 1988 uma categoria de terra indígena – criado pelo SPI durante o processo de espoliação dos Guarani e Kaiowá em decorrência da colonização do então Estado do Mato Grosso.

O confinamento é apontado por especialistas como uma das principais causas dos suicídios e, consequentemente, da luta pela terra de ocupação tradicional travada pelos indígenas desde o início da segunda metade do século XX.

Em nove anos foram assassinadas mais de 273 lideranças Guarani Kaiowá. Somente em janeiro de 2013, a aldeia Taquara, que fica próxima ao local do assassinato de Decilson, teve dois incêndios suspeitos; o Cacique Ladio Verón, da mesma aldeia, foi ameaçado de morte; e o Cacique Valdemir Salina, da Aldeia Remanso Gwasu, foi ferido por um disparo de bala.

Com informações do Cimi (Conselho Indigenista Missionário).

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum