Imprensa livre e independente
04 de outubro de 2018, 23h44

Haddad: “Dia 1º de janeiro vou reabrir o Palácio do Planalto para todos os brasileiros”

No debate da Globo, o candidato do PT rebateu Marina Silva, que associou ao PT e a Lula a "polarização" e o ódio presente nessas eleições: "Lula instituiu o ódio? Saiu com 86% de aprovação, tratou do servente ao banqueiro com a mesma dignidade"

Foto: Reprodução
Fernando Haddad, candidato do PT à presidência, rebateu, no debate da Globo na noite desta quinta-feira (4), as acusações de Marina Silva (Rede) de que foi o PT quem instituiu o ódio e a polarização tão presentes nessas eleições. A candidata da Rede afirmou que o Brasil está dividido entre aqueles que não querem Bolsonaro e aqueles que não querem o PT, e convidou o petista a fazer uma “autocrítica”. Haddad, então, respondeu: “Eu to em campanha há apenas 22 dias, em uma situação completamente atípica. O líder nas pesquisas, que figurava na dianteira e poderia ganhar em primeiro turno,...

Fernando Haddad, candidato do PT à presidência, rebateu, no debate da Globo na noite desta quinta-feira (4), as acusações de Marina Silva (Rede) de que foi o PT quem instituiu o ódio e a polarização tão presentes nessas eleições.

A candidata da Rede afirmou que o Brasil está dividido entre aqueles que não querem Bolsonaro e aqueles que não querem o PT, e convidou o petista a fazer uma “autocrítica”.

Haddad, então, respondeu: “Eu to em campanha há apenas 22 dias, em uma situação completamente atípica. O líder nas pesquisas, que figurava na dianteira e poderia ganhar em primeiro turno, foi impedido por uma decisão
arbitrária. É reconhecido no mundo inteiro por um líder político e inclusive um comitê da ONU reconhece a ilegalidade de seu impedimento”.

Marina seguiu afirmando que Haddad não faz a “autocrítica” e associando a crise política ao PT. O ex-prefeito, então, rebateu. “Estou me apresentando ao eleitorado porque neste momento represento um projeto que deu certo. Lula saiu com 86% de aprovação. Falam que Lula é radical, instituiu o ódio? Lula tratou do servente de pedreiro ao banqueiro com dignidade, governou para os mais pobres. Dia 1º de janeiro vou reabrir o Palácio do Planalto para todos os brasileiros”.

Veja também:  Toma lá, dá cá: Bolsonaro vai liberar nomeações para aprovar reforma da Previdência em segundo turno

Marina, então, disse que Haddad não reconhece os erros e citou o “bolsa empresário” e casos de corrupção. Na tréplica, o petista disparou: “Você não está sendo correta. Todos os dias dou entrevistas reconhecendo erros que foram cometidos. Mas não vou lavar a criança com água do banho. Eu sei o que foi gerar 20 milhões de empregos. Vivo de salário, sou professor. Tenho ética, tenho história. Tenho uma vida pública sem nenhum reparo. Não existe nada na minha vida que não seja produzir o bem. Trabalhava 18 horas como ministro da Educação para abrir as portas das universidades para os pobres. Vou fazer novamente pelo trabalhador desempregado”.

 

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum