Imprensa livre e independente
28 de outubro de 2018, 22h17

Haddad explica por que não ligou para Bolsonaro: “Ele disse que mandaria me prender”

Presidente eleito não compareceu aos debates e fez ameaças à oposição

Foto: Ricardo Stuckert
O ex-ministro Fernando Haddad (PT), candidato derrotado no segundo turno da eleição presidencial, não telefonou para o candidato vitorioso, Jair Bolsonaro (PSL), como é de praxe. À jornalista Natuza Nery, o petista expôs seus motivos. “Ele me chamou de canalha e disse que se eleito mandaria me prender”, afirmou. Ao longo da campanha, Bolsonaro se recusou a participar de debates com seu adversário e chegou, inclusive, a ameaçar a oposição de prisão caso ele fosse eleito. De acordo com Haddad, “não tinha menor clima além de não poder prever a reação” se a ligação fosse feita. Em seu pronunciamento após...

O ex-ministro Fernando Haddad (PT), candidato derrotado no segundo turno da eleição presidencial, não telefonou para o candidato vitorioso, Jair Bolsonaro (PSL), como é de praxe. À jornalista Natuza Nery, o petista expôs seus motivos.

“Ele me chamou de canalha e disse que se eleito mandaria me prender”, afirmou. Ao longo da campanha, Bolsonaro se recusou a participar de debates com seu adversário e chegou, inclusive, a ameaçar a oposição de prisão caso ele fosse eleito.

De acordo com Haddad, “não tinha menor clima além de não poder prever a reação” se a ligação fosse feita.

Em seu pronunciamento após a confirmação da vitória de Bolsonaro, Haddad disse que a sua chapa tem um compromisso com o país e não irá aceitar provocações e ameaças. “Verás que um professor não foge à luta”.

 

Veja também:  Jean Wyllys: Ao comparar críticas de Lula e Bolsonaro à Miriam Leitão, Globo segue fortalecendo o fascismo

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum