Imprensa livre e independente
16 de junho de 2019, 09h09

Haddad sobre pivô da demissão de Joaquim Levy: “Bozo não conseguiria conviver com tanto talento”

Haddad disse que Marcos Barbosa Pinto - que desagradou Bolsonaro por ter trabalhado no governo Dilma Rousseff e se tornou o pivô da nova crise - o assessorou em dois projetos: o Prouni e as Parcerias Públicos Privadas (PPP)

Fernando Haddad (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)
O ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT) foi às redes sociais na manhã deste domingo (16) para comentar o pedido de demissão de Joaquim Levy da presidência do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo Haddad disse que Marcos Barbosa Pinto – que desagradou Bolsonaro por ter trabalhado no governo Dilma Rousseff e se tornou o pivô da nova crise – o assessorou em dois projetos: o Prouni e as Parcerias Públicos Privadas (PPP). “Reconhecimento: Marcos Barbosa Pinto, pivô da demissão...

O ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT) foi às redes sociais na manhã deste domingo (16) para comentar o pedido de demissão de Joaquim Levy da presidência do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

Haddad disse que Marcos Barbosa Pinto – que desagradou Bolsonaro por ter trabalhado no governo Dilma Rousseff e se tornou o pivô da nova crise – o assessorou em dois projetos: o Prouni e as Parcerias Públicos Privadas (PPP).

“Reconhecimento: Marcos Barbosa Pinto, pivô da demissão de Levy do BNDES, me assessorou na formatação de 2 projetos de lei: Prouni e PPP. Sua contribuição técnica foi inestimável para o sucesso destas iniciativas. Bozo não conseguiria conviver com tanto talento!”, tuitou Haddad.

Ao renunciar, Levy se antecipou a um processo de fritura que começou neste sábado, quando Bolsonaro disse que estava “por aqui”, colocando “a cabeça” do economista a prêmio.

Veja também:  Glenn dá invertida em Moro: "Reportar o comportamento dele significa apoiar a corrupção, como se fosse o padre da ética"

O estopim, segundo Bolsonaro, foi a indicação de Marcos Barbosa Pinto – que atuou no governo Dilma Rousseff (PT) – para a diretoria de Mercado de Capitais do banco.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum