Imprensa livre e independente
30 de abril de 2019, 22h19

Homem com adesivo ‘Lula Livre’ tem o braço deslocado por policial em Porto Alegre

Homem de 52 anos filmava uma ação da Brigada Militar e acabou sendo agredido pelos policiais; assista

Reprodução
Por Luiz Eduardo Gomes, no Sul 21 Um vídeo ao qual o Sul21 teve acesso (ver abaixo) gravado na manhã desta terça-feira (30) mostra um homem tendo o braço deslocado por policiais militares durante uma abordagem no Centro de Porto Alegre. A reportagem conversou com o indivíduo que aparece nas imagens. Trata-se de um homem de 52 anos, agrônomo e estudante de Artes Cênicas na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), que pediu para ter a identidade preservada. Ele diz que estava indo fazer um crachá na Prefeitura referente a um estágio para o ensino de artes em turmas de...

Por Luiz Eduardo Gomes, no Sul 21

Um vídeo ao qual o Sul21 teve acesso (ver abaixo) gravado na manhã desta terça-feira (30) mostra um homem tendo o braço deslocado por policiais militares durante uma abordagem no Centro de Porto Alegre. A reportagem conversou com o indivíduo que aparece nas imagens. Trata-se de um homem de 52 anos, agrônomo e estudante de Artes Cênicas na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), que pediu para ter a identidade preservada.

Ele diz que estava indo fazer um crachá na Prefeitura referente a um estágio para o ensino de artes em turmas de Educação de Jovens e Adultos (EJA) e, no meio do caminho, viu um policial “ameaçando” uma senhora que estava vendendo cigarros entre a Esquina Democrática e o Mercado Público — a Brigada Militar e Guarda Municipal realizaram uma ação de combate ao comércio irregular nesta terça-feira. Ao ver a truculência da abordagem, o homem diz que puxou o celular para fazer fotos, quando ele então passou a ser abordado por um policial militar. Ele acredita que foi abordado com violência porque tinha colado em suas roupas um adesivo com a expressão “Lula Livre” e outro com o símbolo do PT. “Eu me incomodei com a situação e fui registrar. Aí ele partiu para cima de mim. Quando ele viu o adesivo Lula Livre, enlouqueceu”.

Veja também:  Reinaldo Azevedo anuncia mais um vazamento que envolve ministro do STF e Dallagnol

As imagens mostram que, após o homem não se identificar, policiais militares o cercam e tentam algemá-lo. O homem diz que um PM o interpelou pedindo que ele se identificasse, mas sequer teria deixado ele apresentar a identidade, que estava em uma pasta que carregava embaixo do braço. “Ele tentou me algemar e eu não aceitei, mas só na paz. Eles me encostaram na viatura de costas. Depois me colocou no chão, colocou o joelho em cima e deslocou o meu braço”, relata, acrescentando que o policial justificou a ação porque ele estaria em desacato e em resistência.

O homem também relata que, após ser enfim algemado, foi levado para as proximidades do Mercado Público, onde foi xingado de “burro, ignorante e analfabeto” pelo policial. “Ele disse que eu ia preso igual ao Lula e ia ver o que era bom”, diz. Ele relata ainda que o policial tentou combinar com ele a gravação de um vídeo em que iria admitir que deslocou o braço ao cair no chão sozinho. A abordagem só foi interrompida quando uma ambulância do Samu chegou à região do Mercado Público para atender a outra ocorrência — um incidente de trânsito — e uma funcionária do serviço ficou sabendo do caso do agrônomo, e de que estava com o braço deslocado, e resolveu encaminhá-lo para o Hospital de Pronto Socorro (HPS). “Acho que eles iam me torturar, mas o pessoal da Samu disse para eu ir junto”, conta.

Veja também:  Joice Hasselmann vira meme ao bajular Bolsonaro no Pânico. Vídeo

O homem recebeu atendimento do HPS, teve diagnosticada uma luxação no braço e foi liberado no início da tarde.

O advogado Ramiro Goulart, da Rede Nacional de Advogados Populares, que atua em casos de violência policial, foi acionado durante a ocorrência e acompanhou o agrônomo após ele ser levado para o hospital. Goulart diz que o homem foi ameaçado de ser indiciado por desacato e resistência, mas que nenhum policial militar se encaminhou ao HPS para custodiá-lo. “Ao que tudo indica, ele não será indiciado por crime nenhum”, deduz o advogado.

O presidente municipal do PT, Rodrigo Dilelio, também foi ao HPS acompanhar o caso e depois de o agrônomo ser liberado do hospital o encaminhou para a sede da Corregedoria da Brigada Militar, na Rua dos Andradas, para registrar a denúncia contra a abordagem violenta. Ele conta que as imagens de celular feitas pelo homem foram apagadas por um dos policiais. Dilelio diz que o caso o remeteu a outro que aconteceu em março, quando um dirigente municipal do PT de Atibaia (SP) teve o braço quebrado por policiais militares quando já estava imobilizado.

Veja também:  Pai bolsonarista ataca e expõe filha médica em redes sociais porque ela apoiou Haddad

A reportagem tentou contato com o 9º Batalhão de Polícia Militar, responsável pelo policiamento do Centro de Porto Alegre, mas ainda não obteve retorno. A matéria será atualizada assim que obtiver um posicionamento do 9º BPM.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum