Imprensa livre e independente
24 de julho de 2017, 18h01

Homofobia: Casal se nega a ser atendido por garçonete lésbica em restaurante de BH

“Fique totalmente paralisada”, contou a garçonete Juliana Aparecida sobre o momento em que o casal se recusou a ser atendido por ela, que se recolheu no andar de cima do restaurante. Outros clientes se revoltaram com o gesto do casal, que foi expulso do estabelecimento  Por Redação  Mais um caso de homofobia vem ganhando destaque nas redes sociais. Este aconteceu na última sexta-feira (21) em Belo Horizonte (MG). A garçonete Juliana Aparecida Ribeiro da Silva, de 33 anos, contou que foi vítima de preconceito pelo fato de um casal ter se negado a ser atendido por ela no restaurante em que...

“Fique totalmente paralisada”, contou a garçonete Juliana Aparecida sobre o momento em que o casal se recusou a ser atendido por ela, que se recolheu no andar de cima do restaurante. Outros clientes se revoltaram com o gesto do casal, que foi expulso do estabelecimento 

Por Redação 

Mais um caso de homofobia vem ganhando destaque nas redes sociais. Este aconteceu na última sexta-feira (21) em Belo Horizonte (MG). A garçonete Juliana Aparecida Ribeiro da Silva, de 33 anos, contou que foi vítima de preconceito pelo fato de um casal ter se negado a ser atendido por ela no restaurante em que trabalha, o Chopp da Fábrica.

“Quando fui pegar a garrafa de cerveja na mesa do casal, o homem tomou da minha mão e disse que não queria que eu o atendesse. Ele estava descontrolado e disse ‘saia da minha mesa’. Eu fiquei totalmente paralisada”, contou a jovem ao portal Hoje em Dia.

Casada há um ano e meio com outra mulher que também trabalha como garçonete, Juliana revelou que já estava sendo xingada de “sapatão” antes de o casal recusar seu atendimento. Apesar de já ter sofrido preconceito na rua, essa é a primeira vez, de acordo com a garçonete, que ela sofre homofobia no ambiente de trabalho. “Eu ando nas ruas e as pessoas me julgam pela minha aparência. Mas no trabalho eu nem imaginava. Fiquei sem reação e só conseguia pensar ‘não acredito que isso esteja acontecendo’”, disse.

Veja também:  Rede bolsonarista ataca Fátima Bernardes por selinho em Tata Werneck

De acordo com Juliana, enquanto ela se recolhia no andar de cima do restaurante para não receber mais ofensas do casal, outros clientes que se revoltaram com a atitude preconceituosa chamaram a polícia e expulsaram o casal do local. Quando a polícia chegou, eles já haviam ido embora.

Em nota, o proprietário do restaurante, Bruno Delli Zotti, lamentou o ocorrido afirmou que a atitude preconceituosa não condiz com a visão do estabelecimento.

Foto: Reprodução/Facebook

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum