Blog do Rovai

24 de maio de 2019, 13h17

Hospital Albert Einstein deve explicações à sociedade sobre esquema Bolsonaro-Queiroz

Quem aceita pagamento em dinheiro num volume tão grande de quem está sendo investigado por corrupção e cuja investigação é de conhecimento público é no mínimo cúmplice

O Hospital Albert Einstein. Foto: Reprodução TV Globo

A notícia publicada hoje em O Globo que revela que o policial militar aposentado e ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), Fabrício Queiroz, pagou os 64,6 mil reais dos custos de sua internação de nove dias no Hospital Albert Einstein em espécie não pode ser tratada como um problema apenas da família bozo e de seu ex-assessor. É também algo que diz respeito ao compliance da instituição Albert Einstein.

Uma empresa séria não aceitaria pagamento em espécie de uma pessoa politicamente exposta. E se aceitou, o mínimo que deveria ter feito era informar o banco no qual depositou esse recurso acerca da sua origem.

O Einstein tomou esses cuidados? Informou as autoridades que estão investigando o caso Queiroz sobre a forma de pagamento do suspeito assessor? Pediu para que Queiroz fizesse um depósito na sua conta corrente e transferisse os recursos para o hospital? Queiroz se negou a fazer essa operação?

Há algum tempo venho chamando a atenção para o tratamento complacente que a mídia tradicional tem tido com o Einstein nesses casos que envolvem a família Bolsonaro.

Veja também:  Revista Veja trará novas denúncias do conluio entre Moro e procuradores da Lava Jato

O Einstein tem se negado a passar informações básicas sobre os bolsonaros desde que o patriarca foi retirado do hospital público de Juiz de Fora e encaminhado para lá.

Neste episódio de Fabrício Queiroz, o hospital tem tido um comportamento ainda mais suspeito. Não comentou nada sobre o vídeo da festinha de réveillon dele em suas dependências e agora é flagrado nesta operação heterodoxa de pagamento.

O Ministério Público não pode deixar o hospital fora de suas investigações. A não ser que o Einstein tenha comunicado aos promotores do caso sobre a forma de pagamento.

Quem aceita pagamento em dinheiro num volume tão grande de quem está sendo investigado por corrupção e cuja investigação é de conhecimento público é no mínimo cúmplice.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum