Imprensa livre e independente
23 de maio de 2019, 13h01

HQ Rio de Lágrimas, com trilha sonora de rock progressivo, questiona o sistema financeiro

A fábula faz uma alusão simbólica à realidade do capital em degradação e suas trágicas consequências, em uma produção que reúne escrita, arte visual e rock progressivo

Foto: Divulgação
Questões éticas recorrentes como egoísmo, meio ambiente, distorções do capitalismo, paternidade/maternidade, com referências e metáforas sobre a atualidade compõem o roteiro da HQ Rio de Lágrimas – Fábula ((Editora Red Clown Books), do escritor e mestre em Filosofia, Renato Shimmi, com ilustrações de Glaucus Noia. Além da HQ, a produção conta com a trilha musical com composições de Bruno Moscatiello e participações de músicos de diferentes gerações do rock progressivo brasileiro, com distribuição da Masque Records. O CD e a HQ integram o primeiro volume do projeto “Brazilian Progressive Rock Soundtrack”, da Red Clown Books. A fábula faz uma alusão simbólica à realidade do capital em...

Questões éticas recorrentes como egoísmo, meio ambiente, distorções do capitalismo, paternidade/maternidade, com referências e metáforas sobre a atualidade compõem o roteiro da HQ Rio de Lágrimas – Fábula ((Editora Red Clown Books), do escritor e mestre em Filosofia, Renato Shimmi, com ilustrações de Glaucus Noia.

Além da HQ, a produção conta com a trilha musical com composições de Bruno Moscatiello e participações de músicos de diferentes gerações do rock progressivo brasileiro, com distribuição da Masque Records. O CD e a HQ integram o primeiro volume do projeto “Brazilian Progressive Rock Soundtrack”, da Red Clown Books.

A fábula faz uma alusão simbólica à realidade do capital em degradação e suas trágicas consequências. Retrata o rio escasso de um reino distante que exigia sabedoria e compartilhamento para atender ao povo. Com a chegada do Minotauro, o leito ganha promessas de abundância, por meio de uma fonte misteriosa de águas sem fim. Em troca do ouro da sociedade, a figura mitológica propõe um acordo ao rei e a miséria e desencanto se espalham à medida que o rio se torna mais abundante.

O texto e as imagens da HQ procuram criar relações simbólicas, especialmente sobre as contradições do sistema financeiro, a partir da promessa de abundância como forma de apropriação da riqueza, a estrutura dos mitos como narrativas universais e presentes que permitam várias conclusões sobre o que é esse rio de lágrimas. Entre as inspirações do autor está o artigo “O Minotauro Global, a verdadeira origem da crise financeira e o futuro da economia global”, do Yanis Varoufakis.

Veja também:  Após 31 anos, Globo demite Mauro Naves por envolvimento no caso Neymar

“Há uma temática mais profunda, talvez obscura, por permitir também várias interpretações, que é a presença da depressão em uma sociedade de abundância e a ausência de sentido para a vida em uma sociedade sem empatia pelas gerações futuras. Mas o que mais me interessa é a possibilidade do leitor acrescentar outras temáticas a partir de suas próprias reflexões”, afirma Shimmi.

As ilustrações do artista gráfico carioca Glaucus Noia se encaixam com a narrativa do roteiro, mesclando o imaginário com o realismo, com técnicas tradicionais de aquarela e nanquim, métodos pessoais como o uso de lâminas e pincéis afiados, misturas com cera de vela, giz de cera de abelha, além de elementos básicos da pintura e material orgânico como café e sal.

 Brazilian Progressive Rock Soundtrack

Como uma das propostas do selo Red Clown é explorar o universo lúdico, Shimmi avalia como essencial o papel da música e, desta forma, buscou parcerias com selos e produtores independentes. “O Acordo”, “Batalha dos Minotauros”, “Rio de Lágrimas”, “Morte do Sonho” e “O Último Ato” são as canções da trilha instrumental de autoria do compositor e guitarrista Bruno Moscatiello, fundador da banda paulistana Kaoll, em parceria com músicos de diferentes gerações do rock progressivo como Willy Verdaguer (Secos & Molhados / Humahuaca), Eduardo Aguillar (Vitral), Claudio Dantas (Quaterna Réquiem), Saulo Battesini (Solo), Kleber Vogel (Kaizen), Fabio Ribeiro (Blezqi Zatsaz), Fred Barley (O Terço / Dialeto), além das participações de Erico Jones, Nana Mathias, Edu Varallo e Tainan Cristina.

Veja também:  MEC deve anunciar plano de mensalidade para universidades federais

“A ideia foi tentar transmitir de forma emotiva as questões abordadas no universo obscuro da HQ, trazendo elementos com teor dramático, épico, reflexivo e de tensão para ilustrar o imaginário na experiência audiovisual”, detalha Moscatiello. Assim como as ilustrações, as músicas permeiam a narrativa e levam o leitor para uma experiência audiovisual reflexiva.

O álbum “Brazilian Progressive Rock Soundtrack”, traz a remasterização de ‘Sob os Olhos de Eva’, trilha sonora da banda Kaoll baseada no livro homônimo de Renato Shimmi, com ilustrações de Zé Otávio. A distribuição do CD é feita selo Masque Records (www.masquerecords.com) e em lojas especializadas com foco em rock e instrumental. O  ‘livro Rio de Lágrimas’ pode ser adquirido no site: http://www.redclown.com.br/riodelagrimas, pela Amazon e nas livrarias Espaço Itaú e Zaccara, em São Paulo.

Sobre o projeto “Brazilian Progressive Rock Soundtrack”, os produtores afirmam que objetivo é difundir ao máximo o álbum e HQ para o público segmentado. “Também queremos divulgar o trabalho no exterior, abrindo novos caminhos, dialogando e aproximando de novos cenários”, avisa Moscatiello. Para Shimmi, a expectativa é conseguir novas parcerias com músicos e produtores. “Aqueles que sabem que música tem o poder de comunicar ideais e de transformar seus ouvintes.”

Veja também:  Gestante em trabalho de parto é socorrida por helicóptero em região alagada na Bahia

Ficha técnica:

Rio de Lágrimas (Editora Red Clown)

Ilustrações: Glaucus Noia
Roteiro: Renato Shimmi 

Edição: Aurélio Lourenzo Soares
Formato: 20 x 27 cm
Nº de Páginas: 100 páginas
Capa: Papel Cartão com Laminação Fosca
Miolo: papel alto padrão – colorido

 

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum