Julian Rodrigues

22 de maio de 2019, 16h19

Impeachment é coisa da velha direita: vamos fortalecer as mobilizações para derrotar o governo e seu programa

Julian Rodrigues: “Não podemos confundir uma possível retirada de Bolsonaro da presidência com a derrubada do governo e a derrota de suas propostas”

Foto: Reprodução

O sucesso das mobilizações do último dia 15 de maio somado ao crescente mal-estar da velha direita com o bolsonarismo abriram um cenário novo.

Milhares de ativistas do campo democrático-popular começaram a acreditar que já estamos em um momento crítico e definitivo.  Que Bolsonaro já teria seu destino traçado e nosso papel seria impulsionar seu impeachment.

Sim, mudou a conjuntura imediata.

Mas, para começar, “eles” –  a “velha direita” (PIG, PSDB, DEM, mercado financeiro) – ainda não decidiram operar o impeachment. “Eles”, aliás, são muita gente. Inclusive as grandes corporações norte-americanas e o governo Trump (para não falar da alt-right Bannon e cia).  A turma de cima não tem unidade imediata sobre o que fazer.

Em segundo lugar, Bolsonaro e o clã continuam fortes. Trabalham com a mobilização crescente de sua base orgânica, de extrema direita: neofascistas doutrinados por Olavo e orientados por Carluxo.

É totalmente compreensível o nojo-ódio-repúdio que a militância de esquerda tem de Bolsonaro – mais nossa vontade coletiva de libertar logo o país desse lixo. Contudo, temos de ser estratégicos, analisar a conjuntura com calma e frieza.

Veja também:  Para ministro Luiz Eduardo Ramos, Bolsonaro se apressou ao divulgar indicação do filho para embaixada

Ainda estamos em um período defensivo. Qualquer saída política, nesse momento, não será favorável ao bloco progressista.

Pedir impeachment de Bolsonaro, agora, é ser, na prática, linha auxiliar da direita tradicional, da turma do mercado.

Nosso foco deve ser intensificar as mobilizações contra as medidas do governo Bolsonaro. Precisamos acumular forças.  A pauta é a defesa da educação pública e gratuita e a derrota da “reforma” da Previdência.

Todas nossas energias devem ser voltadas para o 30M e para o 14J (greve geral). Sempre levando junto a bandeira do #LulaLivre.

Se tivermos sucesso nessas duas grandes mobilizações a situação política pode se alterar objetivamente. Derrotada a destruição da Previdência e revertidos os cortes na educação, um cenário novo pode se abrir.

Aí sim, será o momento de as forças populares apresentarem uma proposta de saída política. Que não é a porcaria do impeachment (trocar seis por meia dúzia).

Se mudar a correlação de forças e passarmos à ofensiva, temos que propor uma saída de verdade ao país. Que nos livre não só de Bolsonaro, mas também de Mourão, Moro e Guedes. E de todo o programa ultraliberal.

Veja também:  Bolsonaro chama taxa ambiental de R$ 106 em Fernando de Noronha de "roubo" e diz que vai rever

Restaurar a DEMOCRACIA passa necessariamente, então, por DIRETAS JÁ.  Outras eleições.

Garantir a soberania da vontade do povo brasileiro. Nas urnas.

Ou seja, novas eleições – limpas.

O que só é possível com o restabelecimento das liberdades democráticas e dos direitos garantidos na Constituição de 1988, a começar pela LIBERDADE DE LULA (preso ilegalmente).

Resumindo: foco nas mobilizações sociais, nas lutas populares. Acumular forças.

Nenhuma ansiedade, pois não há atalhos disponíveis. Quem quer tirar apenas o Bozo é a turma da “velha direita – eles já entenderam que o capitão não consegue avançar na implementação das propostas deles.

Nosso objetivo é conquistar hegemonia para um projeto popular, democrático, antineoliberal e antineofascista.

Derrubar o Bozo só é muito pouco (isso a Globo também quer).

A estratégia popular e democrática é derrotar o bolsonarismo e garantir as condições para avançar em um projeto de reformas estruturais, antineoliberais e anticapitalistas.

#LulaLivre

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.