Imprensa livre e independente
22 de novembro de 2017, 09h11

Intolerância: Professores da UFBA recebem ameaças de morte por pesquisa sobre gênero

Além dos professores, uma aluna do mestrado também foi ameaçada dias antes da apresentação de sua dissertação; as pesquisas estão relacionadas à divisão sexual do trabalho.

Além dos docentes, uma aluna do mestrado também foi ameaçada dias antes da apresentação de sua dissertação; as pesquisas estão relacionadas à divisão sexual do trabalho. Da Redação* A intolerância chegou no mundo acadêmico. Três professores da Universidade Federal da Bahia (UFBA) foram ameaçados – um deles de morte -, recentemente, por conta do teor de pesquisas que desenvolvem dentro da instituição. Além do trio de docentes, uma aluna do mestrado também foi ameaçada dias antes da apresentação de sua dissertação. Todas as pesquisas estão relacionadas à divisão sexual do trabalho. Parte dos casos foi denunciada pelo reitor da universidade, João Carlos Salles, quando...

Além dos docentes, uma aluna do mestrado também foi ameaçada dias antes da apresentação de sua dissertação; as pesquisas estão relacionadas à divisão sexual do trabalho.

Da Redação*

A intolerância chegou no mundo acadêmico. Três professores da Universidade Federal da Bahia (UFBA) foram ameaçados – um deles de morte -, recentemente, por conta do teor de pesquisas que desenvolvem dentro da instituição. Além do trio de docentes, uma aluna do mestrado também foi ameaçada dias antes da apresentação de sua dissertação. Todas as pesquisas estão relacionadas à divisão sexual do trabalho.

Parte dos casos foi denunciada pelo reitor da universidade, João Carlos Salles, quando divulgou uma moção de repúdio contra os ataques, a maioria deles feita através das redes sociais. No comunicado, o reitor se manifesta contra “a opressão diante das tentativas de cerceamento de todo um campo de produção do conhecimento científico”, a qual ele atribui a uma onda de conservadorismo no país.

“Em episódios recentes, verificamos ameaças de morte e outros tipos de violência contra uma de nossas docentes, pesquisadora do Neim; a tentativa de impedimento de defesa de uma dissertação de Mestrado de aluno do IHAC (Instituto de Humanidades, Artes e Ciências), tendo que solicitar a segurança da própria Universidade; e a perseguição e ridicularização nas redes sociais de projetos de pesquisa e extensão que versam sobre essas temáticas”, destaca o reitor, em nota.

Veja também:  Na Venezuela, seguranças de Guaidó foram presos tentando vender fuzis das forças armadas

A professora citada, que teve o nome preservado pela instituição, recebeu as ameaças por desenvolver pesquisas relacionadas à divisão sexual do trabalho. Os ataques contra ela ocorrem há cerca de um mês. Além de lecionar, a vítima é pesquisadora do Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Mulher (Neim), grupo de estudos sobre gênero e sexualidade vinculado à graduação de Ciências Sociais.

De acordo com a assessoria da UFBA, a instituição tem tomado todas as providências para garantir a segurança dos envolvidos e a realização dos eventos científicos, aumentando, inclusive, a segurança nos locais em que a professora ministra aulas.

*Com informações do Correio 24 Horas e do Brasil 247

Foto: Divulgação

 

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum